RENATA SPALLICCI

Carreira

15/05/2018

Liderar é lidar com diferenças

Entender o perfil de cada membro de sua equipe pode ajudá-lo a ter um time mais produtivo e feliz

Um dos temas que mais me fascina no mundo dos negócios é o exercício da liderança! Afinal, equipes e empresas só funcionarão de forma realmente voltada para resultados, se houver uma liderança capaz de conduzir todos para um mesmo objetivo, sabendo tirar o máximo potencial de cada membro de um time.

Não é à toa que o tema liderança é sempre alvo de estudos, congressos, palestras e artigos. Mas uma coisa que venho notando é que, por mais que a figura do líder seja essencial, muito falamos dos líderes e pouco falamos dos liderados.

Discutimos perfis de liderança, analisamos formas mais assertivas de liderar. No entanto,  muitas vezes, esquecemos que do outro lado há pessoas também com diferentes perfis para serem lideradas.

Ou seja, muitas das lições de liderança que normalmente vemos por aí se esquecem  de que, antes de saber como liderar, o bom líder precisa saber quem ele está liderando e entender que há inúmeros perfis de profissionais para serem liderados.

Não podemos tratar de forma igual pessoas diferentes!

 Como lidar com as diferenças no trabalho

Neste sentido, um dos maiores erros que vejo na maioria das dicas de liderança é dizer que o líder deve tratar todos de maneira igual! Mas, como tratar de forma única pessoas que geralmente são tão diferentes?  Claro que concordo com um tratamento igual nas oportunidades, mas não no dia a dia;  afinal, cada pessoa “funciona” de um jeito e, a meu ver, uma das maiores virtudes de um bom líder é saber fazer esta leitura para tirar o melhor de cada profissional dentro de suas características!

Quer ver só? Algumas pessoas são motivadas pela necessidade, e não pelo desejo. Eles fazem algo porque precisam. Elas não são atraídas para agir pelo que é possível. Não estão procurando por infinitas variedades de experiência, mas  passam a vida em busca do que está disponível. Quando elas precisam de um novo emprego ou uma nova casa ou um carro novo, ou até mesmo um novo crush, saem e aceitam o que está disponível.

Já outras pessoas são motivadas a procurar possibilidades. Elas são motivadas menos pelo que têm de fazer do que pelo que querem fazer. Elas buscam opções, experiências, escolhas e caminhos. A pessoa motivada pela necessidade está interessada no que é conhecido e no que é seguro. A pessoa motivada pela possibilidade está igualmente interessada no que não é conhecido. Ela quer saber  onde pode evoluir, que oportunidades podem desenvolvê-la…

Se você fosse recrutar uma pessoa para sua equipe, que tipo de pessoa você gostaria de contratar? Algumas pessoas provavelmente responderiam: “A pessoa motivada pela possibilidade”. Afinal, ter um rico senso de potencial contribui para uma vida mais rica. Instintivamente, a maioria de nós (mesmo muitas pessoas que são motivadas pela necessidade) defende as virtudes de permanecer abertas a uma infinita variedade de novas direções.

Mas a realidade nos mostra que nem sempre esta é a melhor escolha. Há trabalhos que exigem atenção aos detalhes, firmeza e consistência. Digamos que você seja um inspetor de controle de qualidade em uma fábrica de automóveis. Um senso de possibilidade é bom. No entanto, o que você mais precisa é de senso de necessidade. Você precisa saber exatamente o que é necessário e verificar se isso está sendo feito. Alguém motivado pela possibilidade provavelmente ficaria entediado em um emprego como aquele, enquanto alguém motivado pela necessidade se sentiria perfeitamente sintonizado com ele.

Por outro lado, se uma empresa estiver se diversificando para um novo campo, certamente o melhor a fazer será contratar alguém que esteja em sintonia com todas as possibilidades. E isto serve para termos em mente as pessoas que integram nossas equipes, bem como para nós mesmos! Somos movidos pela necessidade ou potencialidade? Tendo clareza disso, podemos escolher melhor nossos empregos e até mesmo áreas de atuação!

O mesmo princípio funciona para motivar seus filhos. Digamos que você esteja tentando enfatizar as virtudes da educação para incentivá-lo a ir para uma boa faculdade. Se o seu filho for motivado pela necessidade, você terá de lhe mostrar por que ele precisa de uma boa educação. Você poderá lhe dizer sobre todos os trabalhos que exigem um diploma. Você poderá lhe explicar por que ele precisa de uma base em matemática para ser um bom engenheiro ou  ter habilidades de linguagem para ser um bom professor.

Se seu filho for motivado pela possibilidade, você deverá ter uma abordagem diferente: mostre-lhe como a aprendizagem em si é o maior caminho para inúmeras possibilidades; preencha seu cérebro com imagens de novos caminhos a serem explorados, novas dimensões a serem abertas, novas coisas a serem descobertas. Com cada criança, o resultado será o mesmo, embora a maneira como você a leva até lá seja muito diferente.

Estilo de trabalho

Voltando ao início de nossa conversa, eu acredito que um bom líder deve entender quais dentre os integrantes de sua equipe são voltados para as necessidades e quais são aqueles direcionados para as possibilidades, pois esta visão será extremamente útil no momento de designar tarefas e objetivos a cumprir!

Outro fator fundamental é entender que cada pessoa tem seu próprio estilo de trabalho ou estratégia para o trabalho. Alguns precisam de independência para ser produtivos, por isso  têm muita dificuldade em trabalhar próximos a outras pessoas e não conseguem produzir bem sob uma marcação cerrada. Eles têm que executar seu próprio show.

Já outros funcionam melhor como parte de um grupo. São aqueles que têm o perfil chamado de cooperativo e que curtem compartilhar a responsabilidade das tarefas que realizam.

Há ainda um perfil que está no meio termo entre o independente e o cooperativo. São aqueles que preferem trabalhar com outras pessoas, mas mantendo a responsabilidade exclusiva por determinada tarefa: estão no comando, mas não sozinhos.

Pessoa certa no lugar certo!

Se um líder quiser aproveitar ao máximo os membros de sua equipe, ou até mesmo se um pai quiser extrair o máximo de seus filhos, é essencial  descobrir o estilo de trabalho deles.  Às vezes, você tem um membro em sua equipe que é brilhante, mas  quer fazer as coisas sempre do jeito dele. Será que o melhor a fazer é tolher o seu perfil independente até empurrá-lo para fora da empresa e forçá-lo a abrir um negócio próprio? Ou tentar encontrar uma maneira de maximizar seus talentos e lhe dar o máximo de autonomia possível.  Se você colocá-lo como parte de um time, provavelmente ele deixará todo mundo louco. Mas, se você lhe der o máximo de independência possível, ele poderá ser inestimável. É isso que os novos conceitos de liderança buscam: maximizar os talentos de todos!

Em qualquer estrutura, há trabalhos que atendem  a todos os perfis de estilo de trabalho. A chave é ter a perspicácia para saber como as pessoas funcionam melhor e, em seguida, encontrar uma tarefa em que elas prosperem. Mas, para isso, precisamos deixar de olhar somente para os líderes e olhar também para os liderados! Esta é a sugestão que deixo para quem exerce cargos de liderança! Pense um pouco mais em sua equipe, encontre o melhor de cada um deles e não trate igual pessoas diferentes. Você e seu time só têm a ganhar!

 

Leia também:

Você é justo ao contratar ou promover no trabalho?

Não se engane: não somos multitarefas

Ferramentas digitais para turbinar sua carreira 

Busque seu propósito. Deixe  seu legado.

Rê Spallicci

 

Renata Spallicci

Atleta profissional fisiculturismo WBFF, executiva, empresaria, coach, influenciadora digital, escritora, palestrante motivacional e realizadora social fundadora do movimento Fit do Bem.

www.renataspallicci.com.br
www.fitdobem.com.br
www.dosonhoarealizacao.com.br