Veja como o jejum pode ajudar na dieta

RENATA SPALLICCI

Dietas

20/07/2017

Os benefícios do jejum intermitente

Além do emagrecimento, confira as vantagens que o estilo de alimentação que está conquistando o mundo pode trazer para a sua vida.

Eu já publiquei aqui no site uma matéria supercompleta sobre o jejum intermitente, um novo estilo de alimentação que vem ganhando adeptos em todo o mundo! Falamos sobre as variações que há nesse estilo de alimentação que, em linhas gerais, prega a prática de períodos de jejum (em alguns casos a cada cinco dias, em outros, por longos períodos diários) para termos um corpo mais saudável e nos mantermos no peso ideal.

Em resumo, seguindo o jejum intermitente, a pessoa come menos (menos calorias entram) e, pelas mudanças hormonais, queima mais (mais calorias saem), o que, evidentemente, faz emagrecer.

Mas, será que esse método realmente é saudável e traz benefícios para o organismo? É o que muita gente vem me perguntando, desde que publiquei a matéria. E, como sempre que me questionam eu faço questão de responder, fui à busca de informações sobre as vantagens do jejum intermitente, e é o fruto dessa minha pesquisa que compartilho agora com vocês.

Conheça os benefícios da dieta

Um: ajuda na perda de peso  

Em vez de usar como combustível a comida que o corpo acabou de ingerir, o jejum permite que o organismo aproveite as reservas de gordura acumulada no corpo para ser queimada, sempre que o alimento for escasso. Isso resulta em uma perda de peso lenta e constante.

Como o jejum se torna uma mudança de estilo de vida, em vez de uma alteração temporária, esse tipo de alimentação é muito mais sustentável do que uma dieta da moda. Na verdade, muitos estudos apoiam a prática como uma ferramenta valiosa e confiável para perda de peso e, principalmente, para a manutenção.

 

Quer saber como perder 4 quilos rapidamente?

Não deixe de conferir a matéria “Pule o jantar e perca até 4 quilos” 

 

Dois: melhora a tolerância à glicose

Para os diabéticos, o jejum pode ser uma maneira fantástica de normalizar e até mesmo melhorar a variabilidade da glicose. Qualquer pessoa que procure uma maneira natural de aumentar a sensibilidade à insulina deve tentar um jejum intermitente, já que os efeitos da prática podem fazer uma considerável diferença na forma como o corpo processa a glicose.

Geralmente, a resistência à insulina é o resultado do acúmulo de glicose em tecidos que não são construídos para armazenamento de gordura. À medida que o corpo queima a gordura corporal como combustível, esse acúmulo se torna cada vez menor e permite que as células nos músculos e fígado cresçam, respondendo favoravelmente à insulina.

 

Três: mantém o metabolismo mais rápido

Um dos motivos que faz com que o estilo de alimentação ajude a perder peso é porque estudo comprovou que jejuns curtos podem aumentar a velocidade do metabolismo em até 14%.

Esta é também uma ferramenta mais eficaz do que a restrição calórica em longo prazo, que, muitas vezes, pode causar danos ao metabolismo. A perda de peso geralmente vai de mãos dadas com a perda de músculo – e, como o tecido muscular é o que mais queima calorias, ter menos músculo leva a uma queda na capacidade do organismo para metabolizar os alimentos. O jejum intermitente, porém, mantém seu metabolismo funcionando sem problemas, ajudando você a manter a sua massa magra.

 

Quatro: proporciona longevidade

Pesquisas de cientistas da Universidade de Chicago revelaram que o jejum intermitente pode “atrasar o desenvolvimento dos distúrbios que levam à morte”, o que significa que os praticantes regulares podem desfrutar de uma vida mais longa e saudável do que as pessoas que comem três refeições regulares ou seguem uma dieta restritiva em calorias

Uma teoria sobre isso, de acordo com o diretor do Laboratório de Neurociências do Instituto Nacional do Envelhecimento, Mark Mattson, é que o estresse brando que o jejum intermitente coloca no corpo, proporciona uma ameaça constante – aumentando as poderosas defesas celulares do corpo contra potenciais danos moleculares. O jejum intermitente também estimula o corpo a manter e reparar tecidos e tem benefícios antienvelhecimento, mantendo todos os órgãos e células funcionando de forma eficaz.

 

Cinco: estimula a função cerebral

Um estudo conduzido pela Society for Neuroscience, em 2015, revelou que o jejum intermitente oferece “enormes implicações para a saúde do cérebro”. Segundo o estudo, que foi realizado tanto em seres humanos quanto em animais, a prática estimula o cérebro de várias maneiras diferentes: promove o crescimento de neurônios, ajuda na recuperação após um acidente vascular cerebral, ou qualquer outra lesão cerebral, e melhora o desempenho da memória. Não só o jejum intermitente ajuda a diminuir o risco de um praticante de desenvolver doenças neurodegenerativas como Parkinson ou Alzheimer, mas também há evidências que demonstram que pode até mesmo melhorar tanto a função cognitiva como a qualidade de vida das pessoas que vivem nessas condições.

 

Seis: aumenta o sistema imunológico

Para os cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, o jejum tem o poder de “regenerar todo o sistema imunológico”, aumentando a produção do corpo de novos glóbulos brancos, que é a forma pela qual nosso organismo combate infecções. O jejum em ciclos diários ou semanais, como os pregados no jejum intermitente, permite que o corpo exclua células danificadas, velhas ou ineficientes do sistema imunológico e as substitua por recém-geradas. São necessários mais ensaios clínicos, mas muitos pesquisadores estão confiantes em que o jejum intermitente pode ser extremamente útil para indivíduos imunocomprometidos e idosos.

 

Sete: melhora o bem-estar espiritual

Não é à toa que quase todas as religiões do mundo praticam algum tipo de jejum, porque se acredita que jejuar pode levar a uma sensação profunda de espiritualidade. Estudos demonstraram que o jejum pode ajudar a regular o humor, reduzindo os níveis de ansiedade e estresse. Na verdade, é recomendado como um tratamento natural para uma variedade de problemas emocionais e sexuais. A prática vai ajudá-lo também a se sentir mais conectado à natureza e ao mundo ao seu redor, e você se beneficiará, tendo uma mente clara e uma visão positiva sobre a vida.

 

Oito: reduz o estresse oxidativo

O estresse oxidativo é causado por um desequilíbrio na produção do organismo de oxigênio reativo e suas defesas antioxidantes e pode levar a doenças crônicas e câncer. As moléculas instáveis, conhecidas como radicais livres, podem reagir com moléculas importantes como DNA e proteínas – danificando essas moléculas e criando um desequilíbrio. A redução de peso, provocada pelo jejum intermitente regular, pode levar a uma redução no nível de estresse oxidativo do corpo, ajudando a prevenir o desenvolvimento desses males.

 

Nove: melhora a função cardíaca

Uma menor porcentagem de gordura corporal tem benefícios de grande alcance em todo o corpo, principalmente na função cardíaca. De forma consistente, os estudos mostraram que as populações mórmons apresentam menor mortalidade cardíaca – geralmente atribuído ao fato de que as pessoas que seguem a religião não fumam, bebem ou comem grandes quantidades de carne. Além disso, os mórmons praticam jejum intermitente, o qual pode levar a uma redução nos níveis de colesterol – particularmente triglicérides, que o corpo usa para criar energia. Ter menos gordura corporal também tira tensão dos rins, reduzindo a pressão arterial e aumentando a produção de hormônios de crescimento no organismo. Combinados, esses benefícios maravilhosos podem significar uma melhoria significativa na função cardíaca.

 

Dez: previne o câncer

A capacidade impressionante do jejum intermitente para estimular a produção de hormônio do crescimento também é importante para reduzir o risco de um praticante de desenvolver uma série de tipos de câncer. Comer regularmente desencadeia um processo no corpo para produzir mais e mais células novas – o que pode inadvertidamente acelerar o crescimento de certas células cancerígenas. O jejum, no entanto, dá ao seu corpo um pouco de descanso desta atividade e diminui a possibilidade de novas células se tornarem cancerosas.

 

Onze: acelera a cura e a recuperação

O exercício, em um jejum, pode ser complicado, mas há alguns benefícios poderosos a serem obtidos combinando os dois – especialmente quando você pode obter um treino pesado no final de seu período de “não comer”. Alguns estudos relataram que, após três semanas de jejum normal pela noite, ciclistas de resistência observaram uma recuperação mais rápida pós-treino – sem diminuição no desempenho. Mesmo que este único estudo não seja inteiramente conclusivo, o poder de cura do jejum e as melhorias ao seu sono e hábitos alimentares, definitivamente, ajudam o corpo a se recuperar de um treino, por mais intenso que seja.

 

Doze: desencadeia autofagia

Durante um jejum, as células do corpo começam a realizar um processo chamado autofagia. Ao longo do tempo, as proteínas disfuncionais ou danificadas podem crescer dentro das células, e este processo de remoção de resíduos ajuda o corpo a eliminar esse excesso de material. Este processo é uma parte fundamental da capacidade do corpo de se reparar e se desintoxicar, e alguns pesquisadores afirmaram que o aumento da autofagia oferece um impulso na proteção de uma série de doenças, incluindo o câncer e a doença de Alzheimer.

Jejum intermitente - Veja os benefícios da dieta

Bom, e se você ainda não conhece esta nova filosofia de alimentação, não deixe de ler o texto Jejum intermitente não é dieta é estilo de alimentação,e tire todas as suas dúvidas sobre o tema!

E lembre-se de que boa parte das pesquisas sobre o jejum intermitente ainda está em estágio inicial. Muitos dos artigos mencionados advêm de estudos pouco extensos, de curta duração, ou então, realizados em animais e não em humanos. Muitas dessas questões só poderão ser respondidas com mais firmeza, depois de serem intensificados os estudos realizados com pessoas.

Já os especialistas que contraindicam o jejum intermitente, observam que ele não deve ser feito, principalmente por crianças, adolescentes, idosos, diabéticos – que fazem uso de medicamentos hipoglicemiantes- e gestantes.

Agora, uma coisa é certa, e eu sempre deixo este alerta aqui! Qualquer tipo de dieta ou plano de alimentação deve ter acompanhamento profissional. Cada corpo é de um jeito e o que funciona para algumas pessoas podem não funcionar para você!

Por isso, preste atenção em suas escolhas e coloque sempre a sua saúde em primeiro lugar!

Leia também:

Pule o jantar e perca até 4 quilos

Nove dicas para fazer a sua dieta dar certo

As dietas mais recomendadas de 2017

 

Busque seu propósito. Deixe  seu legado.

Renata Spallicci

 

Renata Spallicci

Atleta profissional fisiculturismo WBFF, executiva, empresaria, coach, influenciadora digital, escritora, palestrante motivacional e realizadora social fundadora do movimento Fit do Bem.

www.renataspallicci.com.br
www.fitdobem.com.br
www.dosonhoarealizacao.com.br