Autoconhecimento

A vida que vale a pena ser vivida

Renata Spallicci comenta sobre o livro “A vida que vale a pena ser vivida” de Clóvis de Barros Filho. Confira.

 2 de março de 2016
3 min de leitura

A vida que vale a pena ser vivida

Vocês conhecem Clóvis de Barros Filho? Então, precisam conhecer! Ele é um filósofo, professor, jornalista, palestrante e escritor, entre outros atributos, que é realmente espetacular. Já assisti à palestra dele umas cinco vezes e agora estou lendo o livro “A vida que vale a pena ser vivida” cujo nome, inclusive, “roubei” para o título do meu post.

E por que eu gosto tanto dele? Porque com suas palavras ele nos faz refletir profundamente sobre a vida que levamos e sobre os conceitos de felicidade que somos levados a acreditar desde cedo.

Em suas palestras, trazendo elementos da filosofia, ele nos mostra as várias visões que a felicidade teve ao longo da história, definindo-a  de uma forma absurdamente simples e que, para mim, faz todo o sentido do mundo. “Felicidade é um momento que você não quer que acabe”. E aí a gente começa a se perguntar: quanta coisa a gente faz no nosso dia a dia que a gente não quer que acabe? A gente trabalha com prazer ou contando os minutos para acabar? A gente treina curtindo ou “roubando” um pouquinho em cada uma das séries para terminar mais rápido? A gente vive intensamente de segunda a sexta, ou vive torcendo para chegar sábado e a semana acabar? Se estamos sempre torcendo para tudo acabar, é isso que esperamos da vida? Que ela acabe?

Essa é uma das provocações que ele faz e que realmente nos permite pensar sobre onde e quando realmente nos sentimos bem. Quais os momentos da nossa vida que a gente não queria que acabassem?  Dando o próprio exemplo, Clóvis conta que, aos 13 anos, se descobriu professor, ao perceber que, durante um seminário da escola, se sentiu extremamente bem ao falar para uma audiência. Bem como nunca havia se sentido antes. E que, para ele, aquele momento não deveria acabar. Logo, aquele era um momento genuinamente feliz!

Claro que há coisas que fazemos na vida que precisam ser feitas e pelas quais realmente precisamos passar e que vamos, sim, torcer para terminar. E esse é outro ponto interessante que ele aborda. De que não devemos comprar o discurso de uma vida plenamente feliz, porque isso não existe! O que devemos procurar sempre é estar onde queremos estar, fazendo aquilo que nos faz bem. Enfim, devemos levar uma vida que vale a pena ser vivida!

E você tem feito sua vida valer a pena?

Busque seu propósito. Deixe  seu legado.

Rê Spallicci