Autoconhecimento

Novas formas de ser em um diferente e novo mundo

Renata Spallicci fala sobre sua tendência a quebrar barreiras e rótulos, e sua busca constante por seu propósito e por realizar seus sonhos.

 23 de agosto de 2016
5 min de leitura

Melhores formas de ver o mundo

Você já se identificou com alguma personagem de um filme, de um livro? Recentemente, aconteceu comigo. Gente, eu sou a própria Judy Hopps, a coelhinha da animação “Zootopia – Essa cidade é o bicho”, hahaha. A ousada coelhinha decide, desde muito pequena, que não quer ser mais uma plantadora de cenouras, mas quer tornar o mundo melhor, tornando-se a primeira coelha policial de Zootopia. Para realizar seu sonho, Judy enfrenta muitos obstáculos. É isso, romper preconceitos, quebrar barreiras, ir contra a corrente é algo que sempre fez parte da minha forma de pensar e de ser. Quando criança, dediquei anos e anos de minha vida ao ballet e eu não era a pessoa com o corpo mais apropriado para aquela prática. Não era alta, era um pouco cheinha, mas ultrapassei todas as dificuldades com muita dedicação, força de vontade e superação, e fiz minha carreira na dança.

E levei isso por toda a minha vida. Passei por preconceito no meio empresarial. Afinal, uma mulher jovem e executiva também vai contra os padrões esperados. E uma executiva de cabelão comprido, então? Nem pensar! Mulher executiva tem de usar terninho e cabelo curto #sqn.

No início do ano, mais uma vez, desafiei os padrões e coloquei minha paixão pelo esporte acima daquilo que se espera de uma empresária e fui atrás do meu sonho: preparei-me e competi no WBFF, uma competição fitness, conseguindo conciliar toda a minha rotina com um treinamento e uma dieta superpesada e rigorosa.

Agora, de novo, tive um sonho e fui em busca de realizá-lo, independente do que pudessem achar ou pensar. Idealizei o Fit do Bem, um movimento que tem o objetivo de inspirar pessoas para a busca por uma vida plena, mais saudável e rica em propósitos e que terá o seu evento de lançamento no dia 9 de outubro, no parque Burle Marx, e superei todos os obstáculos, burocracias e desconfianças, e estou vendo o movimento aí, tomando corpo, cada dia mais forte e se tornando realidade.

Para realizar tudo que realizei na minha vida até hoje, precisei de autoconhecimento para saber o que queria (qual era minha missão e meu propósito), uma boa dose de coragem para sair dos padrões e manter minha personalidade; essência e crenças, disciplina e firmeza de propósito!

Estou contando todos esses fatos para mostrar que estamos vivendo um novo mundo, no qual observamos que tudo é possível, e que não deve haver limite para que possamos realizar todas as nossas potencialidades e sonhos.

Em artigo recente, o filósofo Renato Janine Ribeiro aborda o quanto, a cada dia, percebemos que somos seres bem diferentes entre nós, o que nos possibilita mudar o nosso redor e o nosso mundo. “Se fôssemos todos sempre iguais, ou se nos reduzíssemos a um pequeno grupo de possibilidades, não teríamos a liberdade de mudar a nós mesmos e a nossa sociedade”, escreveu Janine.

E é nesse sentido que ele defende que precisamos estar abertos para “sonhar novas formas de ser”, pois não podemos mais nos prender aos rótulos preconcebidos em um novo mundo em constante mudança. E, para isso, precisamos redefinir nossas formas de nos educar, nos formar e nos preparar para essa nova realidade.  O ser humano não vem com manual de instrução (graças a Deus); portanto, não podemos nos guiar por fórmulas prontas ou por fazer algo só porque todo mundo o faz. Temos de ser originais, nos guiar pelos nossos sonhos, descobrir nossos propósitos e correr para realizá-los!

“Seja você mesmo e vire tendência!”

Quando, por meio de muito autoconhecimento, eu entendi meu propósito de vida e entendi a minha missão de inspirar pessoas por uma vida mais saudável e plena, um novo leque de oportunidades e de potencialidades se abriu para  minha vida, e tudo passou a fazer muito mais sentido na minha existência.

“Precisamos constantemente aprender como somos, como são os outros e aprender a lidar com as dificuldades – e oportunidades – da vida”, defende o filósofo Janine! E é exatamente isso que defendo e em que acredito.

Seja quem você é! Acredite em seus sonhos e potencialidades, arrisque, inspire, faça suas próprias escolhas responsáveis! Afinal é a abertura ampla de possibilidades que caracteriza nossa espécie e nos torna únicos, plurais e, acima de tudo, humanos!

 

Busque seu propósito. Deixe  seu legado.

Rê Spallicci