Carreira

Como empreender em tempos de crise

Saiba como se preparar para empreender em um cenário de crise, conhecendo os riscos e as oportunidades de mercado.

 14 de junho de 2016
7 min de leitura



Ter o próprio negócio é um sonho para boa parte da população brasileira. Afinal, ter uma empresa é uma forma de liberdade, de trabalhar com algo de que se gosta e, principalmente, de tentar construir um legado.

Mas será que, nesse cenário de crise em que estamos vivendo, tentar empreender é algo possível? A resposta é sim!  Vale lembrar que muitos negócios se iniciam diante da adversidade decorrente, por exemplo, de uma perda de emprego ou diminuição de renda, causados por uma crise econômica. E é exatamente este momento pelo qual estamos passando.

Para o empreendedor e palestrante especialista em empreendedorismo e marketing digital, Rodrigo Lima, a crise traz com ela oportunidades em diversos segmentos e pode ser a ocasião ideal para quem sonha em criar um novo negócio. “Há um ditado que diz assim: ‘enquanto uns choram, outros vendem lenços’. E é nisso que acredito. Em todo segmento existem as oportunidades. O importante é sentir o momento e ter a sensibilidade de entender o que as pessoas precisam e transformar isso em oportunidades. A Internet é um ótimo meio de se empreender em uma conjuntura como essa, já que  todo mundo está na Internet e, se você tiver um conteúdo ou um produto de boa qualidade, estará com a faca e o queijo na mão. Basta utilizar as mídias com mestria e saber fazer a diferença”, ensina.

E os números mostram que, realmente, empreender vem fazendo parte do cotidiano recente do brasileiro. De acordo com o a última pesquisa do Indicador Serasa Experian, foram criadas 1.865.183 novas empresas no Brasil. Ou seja, mais de 5.100 novas empresas por dia. E muita gente quer ainda fazer parte desse time. Outro levantamento sobre o tema aponta que 76% dos brasileiros prefeririam ter um negócio próprio a ser empregado de terceiros, a segunda maior taxa do mundo, somente atrás da Turquia. Mas criar uma nova empresa é somente o primeiro passo para se ter um negócio. Afinal, o maior desafio das empresas é sobreviver aos primeiros anos de vida, e os motivos para que o negócio não prospere está quase sempre atrelado a um único fator: falta de preparo e de conhecimento por parte dos empreendedores.

É o que atesta uma pesquisa do SEBRAE que analisou o principal motivo de fracasso das empresas nos primeiros cinco anos de vida. Segundo o  levantamento, os negócios que fecham suas portas nos primeiros anos foram, na maioria, mal administrados. Por exemplo, 39% não sabiam qual era o capital de giro necessário para abrir o negócio, 61% não procuraram ajuda de pessoas ou instituições para a abertura, 50% não determinaram o valor do lucro pretendido, 42% não calcularam o nível de vendas para cobrir custos e gerar o lucro pretendido, enfim, informações imprescindíveis para alguém que quer empreender.

É por isso que o principal capital do empreendedor deve ser o conhecimento. Com o crescimento do número de pequenas e médias empresas no País, houve também o aumento no número de cursos, universidades, livros e material didático que facilitam a vida de quem quer empreender no Brasil. Por isso, mais do que nunca, está na mão dos novos empreendedores a busca pelo conhecimento, já que o material sobre o assunto é farto e disponível.

Um levantamento da Endeavor sobre esse público, mostrou que para todos os perfis de empreendedores, há um gap de aprendizado em alguma ou outra área que poderia ser solucionado por meio de cursos formais e que aumentaria muito a competitividade de nossas micro e pequenas empresas.

Ainda segundo a pesquisa, desde aquele empreendedor apaixonado que trabalha com algo que curte, mas enfrenta dificuldade para lidar com a burocracia, até aquele de perfil mais arrojado, mas que tem pouca formação financeira, boa parte de nossos empreendedores são carentes de uma formação mais sólida sobre finanças, marketing e administração.

Amor pelo que faz

Se buscar conhecimento é algo imprescindível, ter paixão pelo que faz é outro pilar necessário para quem busca construir uma nova empresa. Afinal, o talento para negócios pode até ser aprendido em livros, mas ter paixão por aquele segmento no qual o empreendedor pretende atuar é algo que somente quem está à frente do negócio pode garantir.

Isso porque é o amor pelo negócio que vai fazer o profissional ter aquele algo a mais, investir mais do que somente dinheiro e tempo. “Em tudo que você vai apostar ou empreender, você necessita de um mínimo de estrutura, que não significa necessariamente dinheiro. Na maioria das vezes, você só precisa de um amigo ou amiga, ou uma porta aberta. Muitas vezes, existe uma oportunidade ao seu lado. Se você tiver uma estrutura em dinheiro para investir, ótimo, se não, a sua boa ideia ou produto poderão se vender sozinhos, desde que você use o conhecimento aliado à paixão pelo que faz”, revela Rodrigo.

E se engana quem pensa que ter o próprio negócio é garantia de se trabalhar menos e com total autonomia. Muito pelo contrário, criar uma empresa prescinde de dedicação plena, muito foco e determinação.

Por isso, lembre-se: em um cenário de instabilidade, apenas os organismos mais qualificados tendem a permanecer, enquanto que os menos qualificados são facilmente levados pela crise. Não se esqueça de que, no início, você é praticamente a totalidade do capital intelectual de seu negócio. Cenário de crise, escassez de recursos, crédito caro e economia desacelerando vão exigir de você uma capacidade acima da média, para que o seu negócio cresça (enquanto muitos diminuem).

Por isso, garanta que o seu produto seja bom o suficiente para competir com tantos outros que já estão no mercado e, ainda assim, tenha um diferencial que possibilite o crescimento de sua empresa.

Portanto, a saída para situações de crise não é excesso de coragem. Cuidado! O mercado está difícil, portanto não seja um destemido sem causa. O segredo é estar qualificado e preparado para superá-los. Se você conseguir transpor esse momento, quando chegar a época mais calma, estará muito forte para competir num mercado mais atrativo – o que lhe possibilitará pensar na parte mais nobre do negócio próprio, como liberdade e conquistas pessoais.

 

renata-rodrigo-lima

 

Rodrigo Lima é publicitário, empreendedor e palestrante. Especialista em marketing digital e político, coach em desenvolvimento de pessoas, ministra palestras sobre Marketing Digital e Político, empreendedorismo e desenvolvimento pessoal com foco em mindset.

 

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Renata Spallicci

 

Leia também:

Como transformar a paixão em profissão

Seja parte da solução e não do problema

Atitudes para garantir seu sucesso na crise

Dez características dos líderes de sucesso

Crise: cautela para aproveitar as oportunidades 

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Rê Spallicci