Dietas

Dieta Ravenna – Emagreça até 2kg por semana

Dieta Ravenna: Emagrecimento rápido, saudável, efetivo e duradouro

 25 de abril de 2017
10 min de leitura

Dieta Ravenna

Como vocês sabem, procuro estar sempre atenta às dietas mais comentadas, para poder compartilhar as informações aqui em nosso blog, pensando sempre em ajudar você a conquistar seu corpo dos sonhos! Mas, lembre-se de que, por mais bem informada que você esteja, é fundamental procurar sempre a orientação de um profissional especializado antes de iniciar qualquer dieta.

Hoje, quero lhe falar sobre uma dieta que nasceu aqui pertinho da gente, mais exatamente na Argentina, e que nos últimos anos vem ganhando adeptos no mundo todo: é a dieta Ravenna. Criado em 1991, em Buenos Aires, pelo médico e terapeuta argentino, Dr. Máximo Ravenna, o método é mais do que uma simples dieta. Na verdade, é um tratamento multidisciplinar que propõe o emagrecimento a partir de uma alteração radical dos hábitos alimentares, acompanhada de atividade física adaptada e de um processo médico e psicológico para a mudança. Psicológico? Isso mesmo, para o doutor Ravenna, o sobrepeso e a obesidade não são problemas isolados, mas, ao contrário, têm razões emocionais e causam impacto na saúde do corpo todo.

Além disso, ela tem como princípios a ingestão reduzida de calorias, a preferência por alimentos de baixo índice glicêmico e a restrição de comidas muito saborosas.  Que tal conhecermos um pouco mais a respeito dessa dieta que tem feito bastante sucesso?

 

Peso e equilíbrio ideais

 Conseguindo uma acelerada redução de peso já nas primeiras semanas, a terapia Ravenna, que inicialmente alcançou sucesso na Argentina, Uruguai e Espanha, chegou ao Brasil, em 2009, tendo entre seus adeptos a ex-presidente Dilma Roussef. O método procura apresentar uma nova visão sobre o tratamento da obesidade, levando em consideração a subjetividade dos pacientes e propondo uma nova forma de se comportar diante da comida.

Segundo o criador do método, a Ravenna tem como alicerce a força de vontade da pessoa para transformar sua crença na impossibilidade de redução de peso. O tratamento baseia-se no controle de medidas, no resgate de rituais durante as refeições e no resgate do foco em si mesmo. Ao invés de apenas chegar ao peso ideal, o método propõe que se atinja  um equilíbrio ideal.

Para alcançar esse equilíbrio ideal, com perda de peso saudável, efetiva e duradoura, sem medicamentos e sem cirurgias, a Ravenna baseia-se no tripé Corte-Medida-Distância (veja abaixo), propondo o acompanhamento interdisciplinar com apoio de médico, nutricionista, psicólogo e educador físico. O método sugere, ainda, a participação em grupos terapêuticos como uma importante ferramenta de apoio ao processo de emagrecimento.

Conheça a dieta que pode fazer você emagrecer 2 kilos por semana

Em minha opinião, um dos pontos de destaque do método é justamente o fato de ele buscar uma conscientização a respeito da necessidade de se estabelecer uma nova relação com a comida e sobre a importância de alcançar a redução de peso de maneira saudável. Nessa linha, a elaboração de um plano específico de dieta hipocalórica, com quatro refeições diárias e a suplementação de vitaminas, sais minerais e aminoácidos, garante aos adeptos uma conduta alimentar “personalizada”. Entenda-se, aqui, que personalizada significa que a quantidade de calorias ingerida varia de acordo com as necessidades de cada pessoa. Mas, em média, estamos falando de algo em torno de 800 calorias para quem está na fase inicial de eliminação de peso. A expectativa é que, seguindo as orientações, uma pessoa consiga eliminar, em um mês, entre 5% e 7% de seu peso. Dessa forma, segundo o criador da Ravenna, uma mulher com 100 quilos poderia, em nove meses, considerando o resultado mínimo do método, subir em uma balança e comemorar a chegada aos 65 quilos. Nada mal, hein?!

Evidentemente que, a exemplo do que acontece com outras dietas, cada pessoa segue seu próprio ritmo de perda de peso. Algumas conquistas, porém, segundo os defensores do método, são comuns: a adoção de pequenas doses de comida para combater o excesso de peso e a disposição em trocar a compulsão alimentar por uma nova expectativa de vida. Ah, uma coisa interessante:  como a Ravenna propõe essa abordagem interdisciplinar, contemplando de maneira especial os aspectos emocionais e psicológicos envolvidos no processo de emagrecimento, a terapia reforça a necessidade de que, após atingir o peso desejado e dar início à etapa de manutenção, o paciente trabalhe o reconhecimento da nova imagem corporal alcançada!

Em minhas pesquisas, constatei que o método é indicado para pessoas com diferentes graus de obesidade, sobrepeso ou mesmo àquelas em busca de saúde. Além disso, não há restrições de idade, podendo ser feita com segurança por qualquer pessoa, a partir dos cinco anos, desde que com acompanhamento profissional especializado.

 

Como funciona?

Ok, já entendemos bem o conceito e os princípios da dieta criada por Máximo Ravenna. Mas, e na prática, como ela funciona? Um primeiro e importante aspecto que é preciso entender: a dieta consiste na alimentação sem carboidratos simples, procurando estimular a adoção de um cardápio rico em alimentos saudáveis e com baixo índice glicêmico, e indica a ingestão de uma porção de salada e uma porção de caldo antes dos chamados pratos principais.

Voltada para pessoas que precisam controlar a compulsão por alimentos, a Ravenna não exige que a pessoa se alimente a cada três horas, e é constituída por duas fases: na primeira, a pessoa busca o emagrecimento. Nesta etapa, é proibido o consumo de alimentos gordurosos, doces e frituras. E frutas, chás, café e carnes devem ser consumidos com moderação. Na segunda fase, após conquistar a forma que deseja, a pessoa deve se dedicar à manutenção do peso conquistado e, como já mencionei, trabalhar no reconhecimento da nova imagem. Aqui os alimentos que eram proibidos na primeira fase devem ser pouco a pouco incluídos no cardápio.

 

Estes, pode!

Segundo Máximo Ravenna, a dieta permite a ingestão de alimentos ricos em fibras e com baixo índice glicêmico, pois auxiliam no controle da saciedade, reduzem compulsões e ainda colaboram para o bom funcionamento do intestino. Exatamente o contrário do que acontece quando ingerimos alimentos de alto índice glicêmico, eles aumentam a secreção da insulina, responsável pelo aumento da fome e do desejo de comer ainda mais comidas à base de açúcar e farinhas. Para quem adere à Ravenna, as frutas e verduras passam a ser as principais fontes de carboidratos. Também são recomendados as frutas cítricas, proteínas magras, como peixes e frango, alimentos termogênicos e líquidos com baixas calorias.

 

Estes, não pode!

Por afetar o cérebro e causar dependência, açúcares e carboidratos refinados ou processados estão fora do cardápio. Igualmente, queijos bem amarelados, frituras e doces industrializados também devem ser riscados de sua lista de compras. Calma, não é pra sempre, só quase, hahahahaha. Na verdade, após alcançar o peso ideal, será feita uma transição alimentar, e aqueles alimentos serão reintroduzidos aos poucos. A ideia é estar atento às respostas do corpo e procurar identificar qualquer eventual alteração de comportamento provocada por comidas que tendem a desencadear a comilança. E, sabe aquela história de a gente gostar de tudo que engorda? Pois é, doutor Ravenna acredita mesmo nisso, portanto, ficam de fora do cardápio alimentos de alta palatabilidade, ou seja, nada de ingerir os alimentos deliciosos que, de tão gostosos, podem criar uma associação direta entre o comer e a sensação de prazer.

Conheça a dieta Ravenna

Apoio psicológico

Mas cardápio e atividade física não é tudo. A dieta Ravenna orienta seus adeptos a que participem, pelo menos duas vezes por semana, de grupos terapêuticos. Nesses encontros, é possível falar sobre seu vínculo alimentar, dificuldades e conquistas, reconhecendo a obesidade como um problema que não é só seu e valendo-se da troca de experiência com as outras pessoas para seguir em frente com vistas à conquista da sua meta. Os grupos se reúnem até mesmo nos sábados, domingos e feriados, pois se entende que estes são os dias em que as pessoas mais engordam.“O Grupo Terapêutico é um lugar para dividir sucessos e insucessos com outros pacientes e psicoterapeutas. O paciente expõe o seu padrão de relação com a comida e passa a ressignificar o valor dado ao alimento”, explica o idealizador do método.

A ideia é que cada pessoa possa, a partir do ambiente terapêutico proporcionado pelo método, dar novo significado ao papel da comida na sua vida e modificar sua postura diante da mesa e do mundo. Essa nova relação com a comida torna-se, assim, a principal ferramenta do indivíduo para o combate à obesidade.

Essa transformação, que passa por uma mudança na mesa, na mente, nas emoções, no físico e na autoimagem, é algo que me agrada na Ravenna. Mudanças assim, plenas, são muito mais conscientes, consistentes e, portanto, mais fáceis de serem incorporadas e se tornarem permanentes, gerando um novo estilo de vida.

Se você quiser saber mais, clique aqui e consulte a página oficial do método, ou entre em contato com um dos três centros terapêuticos que o doutor Máximo mantém no Brasil (Brasília, Salvador e São Paulo). O importante é que você se motive e vá atrás do seu corpo dos sonhos e da sua felicidade!

VEJA MAIS:

Dieta da abóbora promete resultados rápidos e consistentes

Saiba tudo sobre a dieta alcalina

As dietas mais recomendadas em 2017 

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Rê Spallicci