ESG

Iniciativa coletiva dá visibilidade a histórias de transformação social inspiradoras

Mariana Campanatti, do Imagina Coletivo: dando visibilidade a histórias de transformação social e inspiração

 18 de novembro de 2015
6 min de leitura

iniciativa coletiva mariana

Brasil. 2012. O País estava há dois anos de receber a segunda Copa do Mundo de Futebol de sua história. E uma frase, usada sempre de forma irônica, começava a ganhar força. Pegou trânsito? Nossa, se hoje está assim, imagina na copa? Falta de transporte público? Imagina na Copa. Problemas e problemas… Imagina na Copa!

Foi neste cenário que a publicitária Mariana Campanatti e mais três amigos resolveram fazer uma reflexão: por que não imaginar construir o País que queremos ver na Copa do Mundo e também para além dela? Nascia, assim, o projeto “Imagina na Copa” que buscava promover uma virada para o Brasil até o ano de 2014, mostrando que pessoas como cada um de nós têm potencial para construir um País melhor.

Mas, para isso, Mariana precisava encarar um desafio: largar seu emprego em uma das maiores agências de publicidade do País e mudar totalmente de vida. “Há tempos, eu me questionava sobre o que eu estava fazendo para o mundo. E, quando surgiu a ideia do “Imagina na Copa” , eu resolvi largar tudo e me jogar. O legal do projeto é que ele tinha um prazo, precisávamos fazer antes da Copa, então, a hora era aquela”, conta Mariana.

Propósito maior

Mariana é nascida em Registro, interior de São Paulo, mas mora há mais de dez anos em São Paulo. Formada em publicidade, passou por renomadas  agências, sempre atuando na área de planejamento. Mas assim como seus outros três amigos que se engajaram na iniciativa do “Imagina na Copa”, ela estava em busca de um propósito maior em sua vida. “Naquele momento em que todos viam a Copa como um momento de escancarar os problemas do País, vimos que era também a oportunidade de mostrar muitas  iniciativas legais que existem e que são feitas  por inúmeras pessoas que resolveram encarar desafios e tentar promover mudanças, em vez  de terceirizar a culpa para governos e empresas”, explica.

E esta era a ideia do Imagina na Copa. Percorrer o País, conhecendo e divulgando iniciativas interessantes nos mais diversos setores, além de promover workshops com jovens interessados em começar a ter uma atuação transformadora.

“O começo do projeto foi muito difícil. Investimos muito trabalho e boa parte das economias dos quatro em busca de apoio. Era engraçado, porque quando explicávamos o projeto, todos elogiavam, falavam que fazia todo o sentido. Mas transformar essas palavras em patrocínio não foi nada fácil”, recorda.

O primeiro grande suporte ao projeto veio por meio de um financiamento coletivo realizado na internet com entusiastas da ideia, e só depois vieram alguns patrocínios. Mas, mesmo antes da obtenção de recursos, o projeto foi levado adiante. “A gente viu que dava para fazer muito mais com muito menos e fomos levando a ideia mesmo sem recursos. Com criatividade e mudando algumas coisas, fomos nos estabelecendo, até que começamos a prestar serviços para algumas empresas, dentro de outro projeto, o  de palestras e consultoria, para conseguir pelo menos empatar o jogo”, explica Mariana.

Apaixonada pelo Brasil

Ao longo do período desse projeto, Mariana visitou os 27 estados brasileiros e conheceu uma nova realidade. No total, o “Imagina na Copa” deu visibilidade para 75 histórias transformadoras e criou em Mariana uma nova perspectiva sobre o Brasil. “Hoje sou ainda mais apaixonada pelo meu país e não o troco por nada. Vi o quanto de coisas legais estão acontecendo em diversas áreas e que existe uma enormidade  de ideias em ebulição por um país melhor”, comenta.

Pouco mais de um ano depois da  Copa do Mundo, o “Imagina na Copa” transformou-se no Imagina.vc, e continua com o mesmo propósito e objetivos. “Que está ruim e que pode melhorar, todo mundo sabe. Mas nosso objetivo é mostrar que, em vez de ficar com uma postura passiva ou até mesmo agressiva para com o País e para com a sociedade, podemos, sim, promover transformações e ajudar a melhorar o Brasil. Para isso, ao encontrar um problema, precisamos entender o que é preciso ser feito a respeito disso, quais são os cenários e as possibilidades. Como virar a chave do ‘querer fazer’ para realmente se engajar e começar a fazer algo para trazer a diferença? É aí que nós entramos, dando apoio, promovendo troca de experiências e ajudando a galera que quer construir um país melhor”.

Hoje o “Imagina Coletivo” é formado por seis pessoas, ocupa um pequeno escritório na Vila Madalena, em São Paulo, e atua em duas grandes vertentes: o Imagina.vc e a Imaginadoria, que é uma área de prestação de serviços junto a parceiros, empresas e organizações.

Coragem para mudar

Ao olhar para a experiência que esses três anos lhe trouxeram, Mariana comenta que agora se considera uma pessoa mais otimista em relação ao mundo, ao ver uma série de iniciativas transformadoras que estão acontecendo e realmente promovendo mudanças. “Conhecemos pessoas maravilhosas ao longo dessa jornada e colecionamos alguns troféus. Por exemplo, fomos processados pela FIFA, por causa de utilizarmos o nome Copa em nossa marca. E ganhamos! Saber que incomodamos a FIFA é motivo de orgulho”, brinca.

Grávida de sete meses de um menino, Mariana sente-se mais completa com o novo caminho que escolheu para sua vida. “Mas isso não significa que esta escolha seja definitiva. Para mim, o segredo é estar sempre conectada com aquilo que  faz mais sentido para mim. Hoje é isso, amanhã pode ser outra coisa. O essencial  é ter sempre coragem para mudar e estar de acordo com o que você realmente acredita”, finaliza Mariana.

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Rê Spallicci