Carreira

Em busca da satisfação no trabalho

7 min de leitura

Em busca da satisfação no trabalho

Estudo realizado nas cinco regiões do Brasil mostram que grande parte dos trabalhadores sofre de ansiedade e cansaço. Saiba como quebrar esse ciclo.

 25 de fevereiro de 2021

Você está feliz com seu trabalho? Sente-se motivado todo dia, ao acordar de manhã para iniciar suas atividades profissionais? Ou simplesmente vai realizando suas tarefas diárias sem nem mesmo pensar nisso?

Recentemente, fiz uma enquete no Linkedin, a fim de entender um pouco melhor essa relação dos profissionais com o trabalho. Dentre as 386 pessoas que responderam, 38% disseram que estão felizes e não pretendem mudar. Outros 38% estão felizes, mas mudariam de emprego; 16% não estão felizes, e 9% querem sair logo de suas posições atuais.

Ansiedade, cansaço, desânimo e frustração

Ansiedade, cansaço, desânimo e frustração

Acredito que os resultados da enquete no meu Linkedin foram bastante positivos, mas uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) mostrou que 52% dos trabalhadores brasileiros sofrem de ansiedade, enquanto estão no local de trabalho. Outros 47% disseram se sentirem cansados com frequência, enquanto o desânimo e a frustração foram apontados como principais sentimentos por 22% e 21% dos profissionais entrevistados, respectivamente. A observação da falta de empatia dentro das empresas foi considerada relevente para 89% dos colaboradores.  Resultados bem preocupantes, não é mesmo?

O estudo foi realizado nas cinco regiões do Brasil, em empresas nacionais e multinacionais de pequeno, médio e grande portes, de quase todos os setores da economia. Intitulada ‘Comunicação Não Violenta nas Organizações’, a pesquisa retrata a forma como 327 profissionais percebem a prática dessa abordagem, a partir de cada um dos tópicos elencados em quatro níveis diferentes: minha equipe, meus pares, liderança e empresa.

Os dados mostram  que, dentre  os dez estados emocionais mais citados pelos funcionários entrevistados, cinco correspondem a sentimentos ligados a necessidades não atendidas, sendo a ansiedade e o cansaço  os dois mais identificados,  seguidos de apreensão, desânimo e frustração, o que se explica pela falta de empatia.

Quando as necessidades são atendidas, os sentimentos são: despreocupação, segurança, calma, realização e satisfação, ou seja, os menos mencionados na pesquisa.

O levantamento ressalta que os colaboradores se sentem mais conectados aos colegas de trabalho que estão mais próximos, do que à liderança da empresa. “Os melhores índices apareceram quando o que estava sendo analisado era a própria equipe do funcionário, ou seja, o seu núcleo mais próximo. Isso ia de alguma forma piorando, à medida que o colaborador falava de pares, liderança, e ainda mais quando falava da empresa. Ou seja, o profissional percebia que ele e pessoas perto dele se atendiam nas escutas, resolviam conflitos e necessidades, mas a empresa de modo geral não fazia isso com tanta efetividade”, disse a especialista em Comunicação Não Violenta e curadora da pesquisa, Pamela Seligmann.

“As necessidades estão por trás de tudo o que fazemos. Cada vez que temos um ato de violência, estamos expressando uma necessidade que não está sendo atendida. De alguma forma, quando somos grosseiros, rudes, violentos, estamos pedindo ajuda”, disse Pamela.  Para ela, os resultados da pesquisa indicam que as empresas precisam trabalhar a percepção dos colaboradores de que estão sendo ouvintes das necessidades dos seus funcionários. “Isso altera o sentimento de confiança, de participação, orgulho de participar, conhecimento, lugar para dar opiniões e ideias, envolvimento, motivação, tudo o que tem a ver com o clima da organização”, disse.

O que fazer para quebrar este ciclo?

Conversando com a psicóloga Maria Eliane da Silva, ela me disse que, levando em consideração fatores como ansiedade, cansaço e frustração no trabalho, as palavras“profissão” e “vocação” são bastante significativas, pois, nesse contexto, o trabalho pode estar refletindo questões da psique. Por isso, segundo ela, tais sintomas podem ser uma oportunidade de refletir sobre a vida profissional e o propósito de vida.

“Os relacionamentos são oportunidades para se conhecer e passar por transformações, e o ambiente de trabalho colabora muito, já que ficamos muitas horas trabalhando. A crise mobiliza o indivíduo a olhar e repensar seu atual estado e, assim, tomar consciência e reavaliar se necessita de mudanças”, explicou a psicóloga.

E também dá algumas dicas importantes para que haja a verdadeira compreensão nesse momento, ajudando os profissionais a encontrarem a felicidade no trabalho:

Leia também:

Busque seu propósito. Deixe o seu legado.

Rê Spallicci






Real Skills: o futuro do trabalho já chegou Carreira

Real Skills: o futuro do trabalho já chegou
Três comportamentos que acabam com sua produtividade e você nem sabe Carreira

Três comportamentos que acabam com sua produtividade e você nem sabe
O seu sucesso futuro está sendo construído agora! Carreira

O seu sucesso futuro está sendo construído agora!
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57


Open chat
Fale comigo!
Siga nas redes sociais

Política de Privacidade   Contato   Sobre


Open chat
Fale comigo!