fbpx competências do profissional do futuro – você está preparado pelas mudanças que as novas gerações, as diferentes relações trabalhistas e a tecnologia está trazendo ao mercado de trabalho?

RENATA SPALLICCI

Carreira

08/07/2019

Carreira

Como as mudanças na relações trabalhistas e os avanços tecnológicos já estão impactando as competências profissionais.

Você tem as competências do profissional do futuro?

Há algo que observo em meu dia a dia no mundo corporativo e que é comprovado por estudos: em nenhum momento da história houve o que se vê hoje, que são quatro gerações diferentes dividindo as baias dos mesmos escritórios. E, se esta chamada diversidade geracional por si só já seria motivo de atenção para cada um de nós como profissionais e também para as empresas, vivemos em um período de intensas mudanças nas relações de trabalho e no emprego da tecnologia.

Mas será que estamos preparados para esta realidade? E as empresas onde trabalhamos, estão prontas para atrair e reter estes talentos?

Diversidade geracional

Hoje em minha equipe eu já trabalho com alguns profissionais da geração Z! Esta turma, nativa do ambiente digital, começa a entrar com força total no mercado de trabalho e eles são essenciais para contribuir nessa nova ordem que se instala.

Mais do que nunca, as empresas que pretendem estar à frente do mercado e liderar processos de mudança precisam ser a preferência dessa geração no momento de escolha.

Por isso, é fundamental que a gente saiba entender o que atrai esses novos profissionais. Recentes estudos indicam que o salário é um fator de atração e retenção importante, mas talvez não preponderante na hora de as novas gerações decidirem sobre seu trabalho.

Temas como benefícios e, mais especificamente, aspectos como possibilidade de trabalho remoto e flexibilidade de horário, são apontados com destaque pelos mais jovens, indicando uma clara mudança de comportamento em relação às gerações anteriores.

Enquanto para os baby-boomers (nascidos entre 1946-1964) a regra era viver pra trabalhar, e a geração X trabalhava pra viver, dedicando-se uma vida toda para buscar um melhor padrão e qualidade de vida nos últimos anos da existência, os Ys (nascidos no final dos anos de 1990 e início do milênio) e, sobretudo, os Zs demonstram que querem trabalhar e viver simultaneamente. Ou seja, querem usufruir, mais rapidamente, daquilo que geram. Não sem razão, é cada vez mais comum vermos jovens trabalhando por alguns anos e, em seguida, “tirando” períodos sabáticos para viajar e conhecer outros países e culturas.

Ou seja, as novas gerações buscam um maior equilíbrio entre vida profissional e vida pessoal. É uma geração que, certamente, vai valorizar empresas que proporcionem ambientes de trabalho mais saudáveis, equilibrados e menos estressantes.

Além da questão do “equilíbrio” entre todas as áreas da vida, esta nova geração quer uma posição no mercado de trabalho que possa, ao mesmo tempo, ser fonte de renda, mas também, que  traga um “propósito”. Eles se preocupam com a questão social, ambiental e econômica e valorizam empresas que sejam sustentáveis em todos esses aspectos.

As competências do profissional do futuro

Se para reter os novos profissionais as empresas tem que mudar muita coisa em suas estruturas, e os profissionais das gerações anteriores que quiserem continuar relevantes neste novo mercado, o que devem fazer?

Em primeiro lugar é essencial entender uma mudança de perfil nas competências essenciais de todos nós como profissionais!

O cenário atual de permanentes inovações exige do profissional pelo menos duas competências : Flexibilidade e Atualização constante para se adequar rapidamente a novos processos, tecnologias e modelos de atuação.

E, diante da já realidade da inteligência artificial, talvez devamos incluir aqui outras três novas competências que, há pouco tempo, não apareciam na lista — Criatividade, Visão Holística e Inteligência Emocional – e que serão fundamentais para solucionar problemas de maneira mais simples e tomar decisões cada vez mais descentralizadas.

Aliás, é justamente de equipes diversas e de atuações descentralizadas – em todos os aspectos – que mais provável virá a desejada inovação – que é mais do que criatividade, mas sim, boas ideias se convertendo em bons negócios.

Ou seja, gestores emocionalmente inteligentes, capazes, por exemplo, de unir de maneira sinérgica toda experiência acumulada de um profissional da geração X com o conhecimento e a fluidez digital de um Z, certamente têm mais chances de levar sua equipe e empresa a inovarem com sucesso.

Cada vez mais eu percebo que toda capacidade produtiva trazida pela tecnológica, todo volume de informação absorvido pela inteligência artificial, toda velocidade e quantidade de dados e informações disseminados pela comunicação digital não serão capazes de promover uma “revolução disruptiva” que leve a humanidade para outro estágio ou momento histórico.

Porque acredito que todo esse processo só será possível mediante a criatividade humana, com a capacidade de relacionamento e interação, a visão e interpretação do todo para a correta e simplificada tomada de decisão.

Assim, o profissional que pretende  permanecer relevante e cobiçado pelas organizações precisa investir no constante aprendizado e atualização técnica, mas, principalmente,  buscar desenvolver as competências que já mencionamos, ou seja,  criatividade e visão do todo para tomada de decisão e soluções rápidas e simples; e Inteligência Emocional voltada para relacionamentos, resolução de conflitos e construção de equipes colaborativas.

O que me deixa bastante feliz com estas análises é que há tempos venho batendo na tecla da importância do propósito nas empresas (e acima de tudo na vida) e de termos líderes com uma visão mais completa e holística da realidade. Por isso, creio que estou preparada para este novo mercado de trabalho e para conduzir a minha empresa por este caminho! E você, como tem se preparado para este novo mercado de trabalho em constante e rápida mudança?

Leia também:

Flexibilidade – uma das competências dos novos líderes

Como será o mercado de trabalho no futuro

Você está preparado para a transformação digital?

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Rê Spallicci

Renata Spallicci

Atleta profissional fisiculturismo WBFF, executiva, empresaria, coach, influenciadora digital, escritora, palestrante motivacional e realizadora social fundadora do movimento Fit do Bem.

renataspallicci.com.br
fitdobem.com.br
dosonhoarealizacao. com.br