Saúde

O luto de uma vida que se foi

8 min de leitura

O luto de uma vida que se foi

Como lidar com todas as perdas e lutos deste momento em que vivemos

 3 de novembro de 2020

Ontem, foi celebrado o Feriado de Finados, um dia para lembrarmos daqueles entes queridos que se foram… E, neste ano, certamente, esta data teve um caráter ainda mais duro, já que muitas são as pessoas no Brasil que tiveram perdas para a COVID-19. 

Mortes que foram ainda mais difíceis, em virtude da impossibilidade de um adeus convencional. Funerais “surreais” realizados via zoom com tradições do fim da vida tornando-se impossíveis.

É certo que os efeitos da COVID-19 serão sentidos por muitos anos, mas aqueles que perderam parentes e amigos estão sentindo esses efeitos imediatamente, com uma dor exacerbada pela incapacidade de dizer adeus. O horror das despedidas apressadas pode ser considerado uma característica definidora da pandemia COVID-19.

Todos estamos em luto

Todos estamos em luto

Mas além de sentir pesar pela perda de vidas, mesmo quem não teve mortes de familiares e amigos provavelmente está sofrendo pela perda de sua rotina normal.

Os esforços para prevenir a disseminação do COVID-19 afetaram os empregos das pessoas, os lugares onde trabalham, a maneira diferente de as crianças “irem”   à escola e brincarem, e a capacidade de se reunir pessoalmente com a família e amigos. Essas medidas também mudaram a forma como as pessoas compram, fazem exercícios, comem, buscam entretenimento e comemoram feriados e eventos especiais. Como resultado, a pandemia teve um considerável impacto psicológico, fazendo com que as pessoas perdessem o senso de segurança, previsibilidade, controle, liberdade e segurança.

Por que a perda de sua rotina é tão perturbadora? Você pode não perceber, mas não sente apenas apegos por outras pessoas. Você provavelmente também sente fortes apegos ao seu trabalho e a certos lugares e coisas. A experiência de perder esses anexos, no entanto, não é tão bem definida quanto algumas perdas. E finais inesperados podem causar fortes emoções. Isso pode tornar difícil lidar com o que aconteceu e seguir em frente.

Você também pode descobrir que as mudanças provocadas pela pandemia estão afetando seu senso de identidade. Por exemplo, se sua identidade estiver intimamente ligada ao seu trabalho, perder o emprego pode desencadear uma crise de identidade.

Sinais e sintomas de luto

O luto pode fazer com que você se sinta entorpecido ou vazio, com raiva ou incapaz de sentir alegria ou tristeza. Também pode ter sintomas físicos, como dificuldade para dormir ou comer, fadiga excessiva, fraqueza muscular ou tremores. E ainda ter pesadelos ou retrair-se socialmente.

Lembre-se, porém, de que a tristeza também pode ter alguns efeitos positivos. Por exemplo, você pode se sentir grato por pessoas corajosas e atenciosas em sua comunidade. Você pode apreciar cada vez mais seus relacionamentos e desejar ajudar outras pessoas que estão passando por perdas semelhantes.

Lidando com a dor do coronavírus

David Kessler, o maior especialista do mundo em luto, acredita que estamos sentindo uma série de dores diferentes. “Sentimos que o mundo mudou, e mudará. Sabemos que isso é temporário, mas que as coisas serão diferentes para sempre. Assim como ir ao aeroporto é diferente de como era antes de 11 de setembro, as coisas vão mudar, e estes são os pontos que se modificaram: perda da normalidade, o medo da crise econômica, a perda de conexão. Isso está nos atingindo e estamos de luto.”

E continua: “Coletivamente. Não estamos acostumados com esse tipo de luto coletivo no ar. Há algo ruim lá fora. Com a presença de um vírus, esse tipo de dor confunde muito as pessoas. Nossa mente primitiva sabe que algo ruim está acontecendo, mas você não consegue ver. Isso quebra nosso senso de segurança. Estamos sentindo essa perda de segurança. Não acho que perdemos coletivamente nosso senso de segurança geral assim. Individualmente ou em grupos menores, as pessoas sentiram isso. Mas todos juntos, isso é novo. Estamos sofrendo em um nível micro e macro”.

Por mais terrível que possa parecer, o luto serve a um propósito importante: ajudá-lo a reconhecer que experimentou uma perda e que precisará se adaptar.

Segundo Kessler, compreender os estágios do luto é um começo, mas ele lembra que os estágios do luto não funcionam como um mapa, mas fornece algumas indicações para este mundo desconhecido. “Há negação, pois repetimos   desde o início: este vírus não nos afetará. Há raiva: você está me fazendo ficar em casa e tirando minhas atividades. Há barganha: ok, se eu me distanciar socialmente por duas semanas, tudo ficará melhor, certo? Há tristeza: não sei quando isso vai acabar. E, finalmente, há aceitação. Está acontecendo e eu tenho que descobrir como proceder. E nessa aceitação, como você pode imaginar, é onde reside o poder. E nos controlamos… Eu posso lavar minhas mãos. Posso manter uma distância segura. Posso aprender a trabalhar virtualmente.”

Por isso, é importante que você aceite e saiba como lidar com sua dor:

Finalmente, é um bom momento para acumular compaixão. Todos terão diferentes níveis de medo e dor, e isso se manifesta de maneiras diferentes. Então, seja paciente. Pense em quem geralmente é e não em quem parece ser neste momento.

E se você estiver tendo problemas para lidar com sua tristeza pelas mudanças causadas pela pandemia, considere procurar a ajuda de um profissional de saúde mental.

Leia também

Ansiedade e pandemia: a importância de cuidarmos da saúde mental

Quarentena: a hora ideal de se aprofundar no autoconhecimento

As lições do confinamento para as famílias

Busque seu propósito. Deixe o seu legado.

Rê Spallicci




O luto de uma vida que se foi Saúde

O luto de uma vida que se foi
A luta em defesa das vacinas Saúde

A luta em defesa das vacinas
Setembro amarelo – Jornada da Saúde Mental na Apsen Saúde

Setembro amarelo – Jornada da Saúde Mental na Apsen
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16


Open chat
Fale comigo!
Siga nas redes sociais

Política de Privacidade   Contato   Sobre


Open chat
Fale comigo!