Carreira

Precisamos levar mais amor aos negócios

Um novo capitalismo mais consciente está nascendo, e a amorosidade é pilar do novo modelo.

 22 de janeiro de 2019
5 min de leitura



Estamos vivendo uma expressiva  revolução no mundo dos negócios. Nos últimos anos, vimos a ascensão de muitas companhias digitais e startups, ao mesmo tempo que empresas mais tradicionais e com modelos mais rígidos estão vendo suas estruturas ruírem pouco a pouco.

E, entre as grandes diferenças que enxergo entre as empresas da nova era e as corporações jurássicas, existe algo que muita gente acha que não tem nada a ver com business: o amor! Quer entender por quê?

Todos precisamos de amor!

 Amor nos negócios

Quando um nerd, em uma garagem, cria a maior companhia do mundo, a gente pode achar que foi um golpe de sorte, uma peça do acaso. Mas, quando mais e mais novas companhias começam a surgir como fruto do sonho e de ideias geniais, temos de entender que uma mudança está em curso e tentar nos adaptar a ela.

Por muito tempo, os gurus dos negócios tentaram explicar essa nova guinada no mundo das empresas como um reflexo geracional. Os yuppies, isso; os das gerações X, aquilo; a geração Y faz tal; e os milleniuns agem assim… Quer saber? Eu tenho minhas reservas com essa padronização e generalização. Já vi muito millenium megarresponsavel, e muito X totalmente em linha com as necessidades atuais. Para mim, o que diferencia perfis é muito mais uma questão de sabedoria individual do que geracional, mas isso é assunto pra outro post…rs. Mas entrei neste tema, porque acredito realmente que, mais do que diferenças geracionais,  a grande mudança está em encarar ou não os negócios com amor!

Por muito tempo, amor e negócios pareciam ser díspares, mas hoje percebemos que, para ter sucesso, tanto uma empresa como um indivíduo que quer construir uma carreira precisam ter o amor como  elemento fundamental.

E é claro que, ao falar em amor, é  no sentido de cuidar, compreender, zelar: as empresas, zelando, compreendendo e cuidando de seus colaboradores e clientes, e os indivíduos, sendo líderes que atuam com amorosidade, compreensão e cuidado.

Capitalismo consciente

O capitalismo consciente que está emergindo não tem mais espaço para empresas que busquem o lucro a qualquer custo, ou líderes autocráticos e agressivos. É um capitalismo de propósitos que visa elevar a humanidade, atendendo a necessidades reais, oferecendo trabalho significativo e prosperidade,  possibilitando a mais pessoas viverem uma vida mais satisfatória e humana.

E acredito que, para tanto, precisamos de empresas e líderes mais femininos. E não estou dizendo apenas em mais mulheres na liderança (claro que isso é também fundamental), mas que também os homens passem a valorizar mais as características femininas, ao liderar uma equipe.

Precisamos de líderes mais altruístas, que lutem pelo bem do todo e pela satisfação de cada membro do time. Não há mais espaço para discursos e ações incongruentes. De

falar algo e agir de forma oposta. Ao trazer amor para os negócios, estamos trazendo verdade!

Nós nos acostumamos a ver pessoas vivendo papéis que não são delas, ou seja, pessoas que se formaram com livros que ensinam “os sete passos do líder eficaz”,“oito atitudes para o sucesso”, mas que não vivem  sua realidade.

O líder do tempo do amor nos negócios vive aquilo que prega verdadeiramente, sempre de acordo com sua personalidade, sua realidade, crenças e valores. E é agindo assim que leva todo o seu time ao sucesso

Porque amor nos negócios é conseguir olhar para o outro não com seus desejos, julgamentos e intenções, mas sim, pela perspectiva do outro, Amor nos negócios é sobre respeitar a história do outro, desenvolvendo-o, dando espaço e deixando-o sonhar.

Foi isso que aprendi com meus avós e com meu pai, e é assim que conduzo os meus negócios. Amando o que faço e levando amor para todos aqueles que estão comigo nesta jornada, respeitando, compreendendo, cuidando e zelando.

Creio  fortemente que um novo mundo dos negócios é possível e, por isso, dissemino estes princípios,  sempre que posso.

E a sua empresa, como tem agido com clientes e colaboradores? Qual o propósito do seu trabalho? Responder a  estas questões hoje são essenciais para uma vida plena e uma sociedade mais justa! Vamos refletir?

Leia também:

Autocoaching – prepare-se para se tornar a melhor versão de você mesma

A economia circular e o profissional do futuro

Como liderar em momentos de crise

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Rê Spallicci