Diversidade & Inclusão

Você sabe o que é Mansplaining?

O que leva os homens a imaginar que as mulheres sabem menos sobre determinado tema e porque muda essa atitude é tão importante.

 10 de dezembro de 2020
9 min de leitura



Imagine um homem falando para uma grávida sobre as agruras da gravidez, ou então explicando para um PHD em física sobre os três estados da água? Imaginou? Pois é, isso não é tão difícil assim né?

E para esse “fenômeno” que foi dado o nome de Mansplaining, como define o Oxford Dictionary: prática de um homem explicar algo a uma mulher de uma forma que mostra que ele pensa que sabe e entende mais do que ela.  

Mas porque é importante falarmos sobre isso? Me acompanhem…

O que é Mansplaining? Algumas situaçães para entender melhor na prática

O que é Mansplaining? Algumas situaçães para entender melhor na prática

Poucas pessoas entendem o que significa Mansplaining. Algumas acham que é uma palavra cunhada por feministas para difamar e oprimir os homens, enquanto outras, principalmente homens, rejeitam o termo como “homens expressando suas opiniões”.

A origem do termo  “Mansplaining” é creditado a Rebecca Solnit por seu ensaio de 2008, que mais tarde se tornou um livro em 2014 – Men Explain Things to Me. Na obra, ela fala sobre um incidente onde um homem condescendentemente sugere que ela leia um livro sem saber que ela é a autora.

Embora este termo não tenha sido particularmente cunhado por Solnit, o livro cristalizou o conceito e, eventualmente, juntou-se ao vocabulário até ser adotado por feministas em todo o mundo para expressar frustração com esse fenômeno comum.

Para ficar fácil de entender, é como dizer a uma mulher como funciona os períodos menstruais. Apreciamos como os homens estão tentando entender as questões que enfrentamos a cada dia, mas o que eles precisam entender é que não há absolutamente nenhuma necessidade de os homens articularem isso por nós. Vejamos alguns cenários para entender melhor o “Mansplaining”. (Esses cenários e análises foram retirados de um artigo da especialista no tema de diferença de gêneros, Vanita Bhatnagar).

Exemplo 1

Uma empresa estava planejando lançar um novo aplicativo para mulheres. O gerente convocou uma reunião para discutir o produto. Quando uma funcionária disse que a interface do usuário não era muito amigável, o desenvolvedor (homem) disse: “Senhora, você ao menos sabe como funcionam os aplicativos móveis, deixe-me explicar …?”. Esta mulher desenvolve aplicativos móveis há 16 anos.

Exemplo 2

Um editor disse a uma escritora de sua equipe sobre o ângulo que ele esperava que ela adotasse para um próximo artigo. O artigo trata de uma questão de gênero intimamente associada às mulheres. A escritora sentiu que era mais capaz de decidir o ângulo. Quando um editor explica um ponto sobre como um artigo precisa ser escrito, isso se torna um “mansplaining”  ou é apenas uma instrução fluindo de um editor para um escritor?

Exemplo 3

Uma mulher de 32 anos de idade visitou um ginecologista do sexo masculino e disse a ele que ela estava sentindo uma dor tremenda durante a menstruação, mas o médico sorriu e disse: “cólicas são comuns durante a menstruação.” O ginecologista apenas comentou com ela ou estava apenas falando com sua experiência?

Voltando ao primeiro incidente, é um caso clássico de homicídio culposo. Este cavalheiro sentiu que era mais importante impor sua opinião sobre ela do que verificar se ela tinha competência no assunto. Manifestar-se dessa maneira também é uma forma de sexismo em que um homem explica algo a uma mulher com arrogância injustificada e infundada.

O segundo caso é em camadas e é uma ocorrência comum em locais de trabalho. Dissecando essa situação, o editor estava tentando explicar a uma mulher como um artigo sobre alguma questão feminina precisa ser redigido. Não há como negar que a mulher teria um melhor entendimento das questões, mas nem sempre um homem explicando algo passa a ser “mansplaining”. Nesse cenário, o editor estava apenas estabelecendo os pré-requisitos para o artigo do ponto de vista editorial. Esse é um requisito para o trabalho, independentemente do sexo da pessoa que está explicando.

No terceiro caso, bem, novamente a mulher está falando com um especialista que tem um conhecimento definido sobre a anatomia feminina. Parece uma área cinzenta, mas algo tão básico como “cólicas são comuns durante a menstruação” se enquadra na categoria “mansplaining” . Ele está falando com uma mulher de 32 anos que conhece seu próprio corpo. Este é um problema comum que as mulheres enfrentam. Além disso, este caso ilustra como as pistas visuais desempenham um papel crucial na determinação do tom da comunicação.

Por que os homens fazem Mansplaing? (mesmo que o façam inadvertidamente)

O mansplaining não é uma situação de gênero, ao contrário, está enraizada em nosso condicionamento cultural. Graças ao patriarcado, isso levou a fortes estereótipos de gênero. Sempre se diz aos meninos que “se levantem” e possuam uma fachada de dureza. Eles não foram ensinados a mostrar emoções e, eventualmente, quando crescem, não têm a menor ideia de como suportar uma conexão emocional ou falar sobre vulnerabilidades. Suas comunicações são principalmente baseadas em fatos, orientadas por estatísticas e tópicos. Mesmo quando os homens conversam entre si, o principal é mostrar seu conhecimento ou competência, em vez de se conectar em um nível emocional com o outro.

Os homens, quando têm conhecimento de algo, pensam que têm que falar e compartilhar com o mundo, mas quando chega às mulheres fica diferente e as provoca.

Por que Mansplaining atinge mulheres?

Se você se colocar no lugar de uma mulher, vai perceber porque achamos isso tão problemático. É como se você estivesse tentando nos dizer algo que já sabemos. Por exemplo, homens dizendo às mulheres como as ruas não são seguras à noite. O “mansplaining”  frequentemente age como uma forma de silenciar e interromper a voz das mulheres. Todo o conceito mina a capacidade da mulher de compreender e negociar o mundo ao seu redor. Apreciamos os homens que genuinamente tentam entender nossa luta, mas quando falam em nosso nome, reforçam os estereótipos estabelecidos sobre as mulheres.

Por que queremos que os homens vão além de Mansplaining?

Não há nada de errado em homens explicando coisas. Na verdade, a informação é maravilhosa, as explicações são fantásticas, mas apenas quando solicitadas. Os homens que não conseguem se impedir de “ajudar” as mulheres com explicações não solicitadas e mal informadas são um problema. Esse comportamento reforça a desigualdade de gênero e os estereótipos de gênero. Também tira a oportunidade de aprofundar as questões de gênero.

Aqui estão algumas coisas simples que você pode adotar para sair do “mansplaining” 

Identidade – Esse comportamento está tão arraigado em nossas interações cotidianas que os homens nem mesmo perceberão quando alguém queixou-se de algo. Para interromper esse comportamento, você precisa estar mais atento e cauteloso a qualquer tipo de elocução condescendente. Também é essencial considerar que a queixa pode acontecer por meio de interações não-verbais. Sua linguagem corporal, expressões faciais, contato visual, tom de voz, etc. Portanto, identifique as comunicações verbais e não-verbais que podem levar à queixa. Principalmente quando alguém lhe disser que você está praticando “mansplaining” , pare. Reserve um momento para refletir sobre seu comportamento.

 Ouça – Ouça de uma perspectiva para compreender. Você nem sempre precisa responder a partir de seu banco de dados de conhecimento. Quando você deixa de lado sua necessidade implacável de compartilhar sua experiência, isso permite que você se conecte de maneiras mais autênticas.

Faça perguntas – para promover uma compreensão mais profunda, faça perguntas – a você mesmo e aos outros. Antes de responder, reflita e pergunte-se: isso realmente precisa de sua opinião? Você está fazendo suposições erradas sobre competência? Como o preconceito está afetando sua interpretação do acima? Além disso, quando você pergunta aos outros sobre suas experiências pessoais, pode ampliar totalmente o seu horizonte de como os outros percebem e navegam a vida. Depois de ter dominado isso, tente procurar outros homens que o façam e compartilhe sua experiência com eles. O “mansplaining”  pode parecer uma questão trivial isoladamente, mas, no esquema mais amplo das coisas, como nos comunicamos é crucial para manter as coisas neutras e com equidade em termos de gênero.

Leia também:

Dia Mundial do Empreendedorismo feminino

Mas afinal, o que é empoderamento

O lugar das mulheres nas empresas

Busque seu propósito. Deixe o seu legado.

Rê Spallicci








Abrir Conversa
Fale comigo!
Abrir Conversa
Fale comigo!