Por que a liderança feminina se destaca no combate ao coronavírus?

RENATA SPALLICCI

Saúde

29/04/2020

Por que a liderança feminina se destaca no combate ao coronavírus?

Países com líderes mulheres conseguem melhores resultados na contenção da pandemia.

11 min de leitura

Apenas 7% da população mundial é governada por mulheres! Elas governam 18 países e 545 milhões de pessoas em todo o mundo, o que representa 7% da população do mundo. Ah! E olha só que interessante! Esta porcentagem é exatamente a mesma

porcentagem de mulheres que são CEOs nas empresas que estão no ranking Fortune 500 da Forbes.

Mas, apesar de serem poucas, as nações governadas por mulheres estão tendo um resultado semelhante neste momento de pandemia do coronavírus: boa parte desses países está tendo números consideravelmente melhores do que os demais na contenção e combate ao vírus!

Será um mero acaso?

As decisões acertadas das líderes femininas

As decisões acertadas das líderes femininas

Jacinda Ardern, 39 anos, premier da Nova Zelândia, é um dos mais emblemáticos exemplos de uma postura firme e, ao mesmo tempo, solidária em tempos de pandemia. Desde o início da crise, o país agiu rápido e de forma certeira com o problema. Ardern impôs uma quarentena de 14 dias a qualquer pessoa que entrasse no país em 14 de março, e implementou um bloqueio rigoroso duas semanas depois, quando menos de 150 pessoas foram infectadas e nenhuma morreu. A Nova Zelândia registrou apenas 18 mortes; a confiança do público no governo de Ardern é superior a 80%

Sua insistência em salvar vidas e sua abordagem de bondade – instando os neozelandeses a cuidarem de seus vizinhos,  dos vulneráveis ​​e fazer sacrifícios pelo bem maior – conquistou muitos fãs, enquanto sua ênfase na responsabilidade compartilhada uniu o país.

Na Alemanha, Angela Merkel foi aclamada por intervenções públicas diretas, mas incomumente pessoais, alertando que até 70% das pessoas contraíam o vírus – o “maior desafio” do país desde 1945 – e lamentando cada morte como a de “pai ou avô, mãe ou avó, parceira… ”

Graças a extensos testes desde o início, muitas camas de UTI e os lembretes diretos e periódicos da chanceler de que o Covid-19 era “sério – então leve a sério”, a Alemanha até agora registrou um número de mortes muito menor do que a maioria dos países da UE.

Com um doutorado em química quântica, as exposições claras e calmas de Merkel – um clipe dela, explicando a base científica por trás da estratégia de saída do bloqueio do governo, foi compartilhado milhares de vezes on-line – também ajudaram a impulsionar a aprovação pública do tratamento da crise pela chanceler, que está em seu quarto mandato, acima de 70%

Na vizinha Dinamarca, enquanto isso, a primeira-ministra, Mette Frederiksen, agiu com firmeza, fechando as fronteiras do país escandinavo já em 13 de março, e alguns dias depois, fechando todos os jardins de infância, escolas e universidades e proibindo reuniões de mais de 10 pessoas.

Essa decisão parece ter poupado a Dinamarca do pior da pandemia, com menos de 8.000 casos confirmados e 370 mortes. Os discursos de Frederiksen e instruções claras para o país foram amplamente elogiados.

A presidente de Taiwan, TsaiIng-wen, respondeu igualmente rápido, ativando a central de comando de epidemias do país no início de janeiro e introduzindo restrições de viagem e medidas de quarentena. Foram implementadas medidas de higiene pública em massa, incluindo a desinfecção de áreas públicas e edifícios.

Ao todo, Taiwan adotou controles rígidos, tornando desnecessário um bloqueio total. Registrou apenas seis mortes e agora está enviando milhões de máscaras para as partes mais atingidas dos EUA e da Europa. O estilo caloroso e autoritário de Tsai ganhou seus aplausos, mesmo de opositores políticos.

A Noruega, com 7.200 casos e 182 mortes, começou a relaxar suas restrições reabrindo jardins de infância, nesta semana. A primeira-ministra, Erna Solberg, disse à CNN que tinha feito questão de “deixar os cientistas tomarem grandes decisões médicas”, acrescentando que ela achava que o programa de bloqueio precoce e testes completos em seu país tinham sido fundamentais.

Seguindo um exemplo dado anteriormente por Frederiksen, Solberg também deu o passo incomum de se dirigir diretamente às crianças do país, contando com elas  em duas coletivas de imprensa, das quais jornalistas adultos foram banidos,  pois era “permitido ficar um pouco assustado” e também porque sentia falta de poder abraçar seus amigos.

Enquanto isso, a Islândia, sob a liderança da primeira-ministra,Katrín Jakobsdóttir, ofereceu testes gratuitos a todos os cidadãos, não apenas àqueles com sintomas, e registrou 1.800 casos e 10 mortes. Cerca de 12% da população aceitou a oferta, e um sistema exaustivo de busca fez com que o país não tivesse que fechar as escolas.

A mais jovem chefe de governo do mundo, a primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin, também se moveu decisivamente para impor um bloqueio rígido, incluindo a proibição de todas as viagens não essenciais dentro e fora da região de Helsinque. Isso ajudou seu país a conter a propagação do vírus para apenas 4.000 casos e 140 mortes, um número por milhão de vezes 10 vezes menor que o da vizinha Suécia.

A Geórgia foi elogiada como uma história de sucesso na luta global contra o coronavírus. Sob a liderança de Salomé Zourabichvili, foi um dos “primeiros países da Europa a tomar medidas efetivas”. À medida que o vírus se espalhou, ela se moveu decisivamente: suspendendo voos diretos com pontos de acesso emergentes, criando perfis e colocando quarentena em viajantes do exterior. Ela confiou em compartilhar a verdade por meio de uma campanha de conscientização pública de alcance sem precedentes – muito antes de a maior parte da Europa começar a dizer algo sobre isso. As escolas foram fechadas e foram criados bloqueios direcionados, quando o país ainda tinha apenas três casos confirmados. A Geórgia, sabendo que não tinha os meios para gerenciar um surto, jogou todos os seus recursos em contenção, em um estágio muito inicial do surto, em comparação com seus vizinhos europeus mais ricos.

Na Bolívia, a presidente interina, Jeanine Añez, foi catapultada para a liderança quando o presidente Morales se exilou do país em novembro passado. Alguns meses depois, ela estava bloqueando o país e aprovando uma série de diretrizes detalhadas em uma página dedicada da Wikipedia sobre Coronavírus na Bolívia. Até agora, em um país de quase 12 milhões de pessoas em condições econômicas reconhecidamente  difíceis, as mortes foram limitadas.

Saara Kuugongelwa, da Namíbia, estava priorizando a preparação para os riscos emergenciais à saúde no ano passado, muito antes de alguém começar a falar do Covid-19.

Nem todas as mulheres que se destacaram na crise do corona são líderes nacionais. Jeong Eun-kyeong, chefe do centro de controle de doenças da Coreia do Sul, tornou-se um ícone nacional depois de supervisionar uma estratégia de “testar, rastrear e conter”, o que tornou o país modelo mundial de coronavírus, com infecções diárias em um dígito e um número de mortos inferior a 250.

Será mera casualidade?

A correlação obviamente não é causalidade. Ser mulher não a torna automaticamente melhor no tratamento de uma pandemia global. Nem automaticamente faz de você um líder melhor; sugerir isso reforça as ideias sexistas e inúteis de que as mulheres são naturalmente mais compassivas e cooperativas.

O que é verdade, no entanto, é que as mulheres geralmente precisam ser melhores para se tornarem líderes; somos mantidas em padrões muito mais altos que os homens. As mulheres raramente conseguem falhar da maneira como os homens podem; você precisa ser duas vezes melhor que um homem para ser levada com metade do grau de seriedade com que um homem é.

Você tem que trabalhar duas vezes mais e, com algumas exceções, precisa ser superqualificada para um emprego de destaque.

Quaisquer que sejam as conclusões que possamos tirar das atuações dessas líderes durante a pandemia, os especialistas alertam que, embora as mulheres sejam “desproporcionalmente representadas em um grau bastante surpreendente” entre os países que administram bem a crise, dividir homens e mulheres chefes de estado e de governo em categorias homogêneas não é necessariamente adequado.

Fatores complicadores podem estar em jogo. Kathleen Gerson, professora de Sociologia da Universidade de Nova York, observa, por exemplo, que as mulheres líderes são mais propensas a serem eleitas em “uma cultura política na qual há um apoio e confiança relativos no governo – e isso não torna gritantes distinções entre mulheres e homens. Então, você já tem um avanço”.

Além disso, pode ser mais difícil para os homens escapar “da maneira como se espera que se comportem” como líderes, disse Gerson ao site The Hill. E, como os melhores líderes são fortes, decisivos e capazes de demonstrar sentimentos, as mulheres podem, talvez, “liderar o caminho, mostrando que esses atributos não são concorrentes e conflitantes, mas complementares – e necessários para uma boa liderança”, afirmou.

Duas brasileiras sequenciaram o genoma do coronavírus em 48 horas

Mas não somente as líderes mundiais  brilham entre as mulheres. Não podemos deixar de citar as cientistas brasileiras Ester Sabino, do Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade de São Paulo (USP), e Jaqueline Goes de Jesus, da Faculdade de Medicina da USP, que lideraram o grupo de pesquisadores que realizaram o primeiro sequenciamento genético do coronavírus na América Latina, apenas 48 horas após a confirmação do primeiro caso da doença em São Paulo (SP). O empreendimento foi conduzido pelo Instituto Adolfo Lutz, em parceria com o IMT da Faculdade de Medicina da USP e a Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Enfim, não quero afirmar com esta matéria que mulheres são melhores líderes que homens, mas  que, se buscarmos um mundo mais igualitário e equilibrado, certamente teremos decisões mais completas em todos os aspectos da sociedade, seja em uma crise de grandes proporções ou em nossas resoluções cotidianas. A igualdade de gêneros é mais do que uma vontade,  é uma necessidade que, como vimos, pode salvar vidas!

Leia também:

Mulheres e a crise do COVID-19

O renascimento do mundo pós-coronavírus

As duras lições do confinamento para as famílias

Busque seu propósito. Deixe o seu legado.

Rê Spallicci

Renata Spallicci

Empresária, escritora, palestrante, coach e influenciadora digital, empreendedora, rainha de bateria da Barroca Zona Sul e campeã de fisiculturismo, Renata é inspiração para que as pessoas busquem, sempre, se autoconhecer e assim superar os desafios e trilhar a jornada rumo à realização dos seus sonhos.

renataspallicci.com.br
fitdobem.com.br
dosonhoarealizacao. com.br