Saúde

Idosos: por que devemos protegê-los ainda mais do Coronavírus

O que faz os idosos serem mais frágeis a esta nova doença

 30 de março de 2020
8 min de leitura

Idosos: por que devemos protegê-los ainda mais do Coronavírus

Já está mais do que claro que o Coronavírus é bastante mais agressivo com os idosos, e os números comprovam isso.  

Crianças com menos de nove anos de idade parecem não ser afetadas, com nenhum ou com sintomas leves. Nenhuma criança morreu como resultado da infecção.

Pessoas com mais de 80 anos e pessoas com doenças crônicas são as mais vulneráveis. Para aqueles com mais de 80 anos, aproximadamente 15% dos infectados morrerão.

A taxa de mortalidade começa a aumentar para aqueles com mais de 50 anos de idade. Aqueles com menos de 50 anos, se forem infectados, apresentam  taxa de mortalidade de 0,2 a 0,4%, enquanto nos 50 a 59 anos são 1,3%.

Para aqueles de 60 a 69 anos, é de 3,6%, para pessoas de 70 a 79 anos é de 8,0%, e para aqueles com mais de 80 anos é de 14,8%.

Um quadro semelhante está surgindo, quando se observa o risco aumentado de doença grave e morte daqueles com doenças subjacentes.

A taxa de mortalidade para aqueles sem condições crônicas subjacentes é de aproximadamente 1%.

Para aqueles com doença cardiovascular (cardíaca), a taxa de mortalidade é de 10,5%, para o diabetes é de 7,3%. A doença respiratória crônica (como asma e doença pulmonar obstrutiva crônica) tem uma taxa de mortalidade de 6,3%, para hipertensão (pressão alta) é de 6,0%, e câncer, de 5,6%.

Por que as pessoas mais velhas correm maior risco?

A probabilidade de ter condições crônicas aumenta acentuadamente com a idade. Mas a presença de condições crônicas explica apenas parcialmente a alta taxa de mortalidade em pessoas mais velhas.

À medida que envelhecemos, nosso sistema imunológico enfraquece. Isso nos torna mais vulneráveis ​​a infecções de todos os tipos. E qualquer tipo de desafio ao corpo pode causar mais danos.

Quando o sistema imunológico se desenvolve em pessoas mais velhas, há também uma maior probabilidade de um fenômeno chamado tempestade de citocinas. É aqui que o sistema imunológico reage exageradamente e produz muitos produtos químicos para combater uma infecção.

Então, essas pessoas estão sujeitas a receberem uma reação inflamatória grave que tem o potencial de causar danos significativos no corpo, incluindo falência de órgãos.

Coronavírus e doenças crônicas

O maior fator de risco para morrer de coronavírus é a doença cardiovascular (cardíaca), com uma taxa de mortalidade de 10,5%. Mas ainda não sabemos o porquê.

Isso não significa que a infecção, necessariamente, cause um ataque cardíaco, apenas que as pessoas com problemas cardíacos subjacentes têm mais probabilidade de ficar gravemente doentes e morrer de complicações do coronavírus.

O aumento do risco de doenças graves para pessoas com diabetes, como o ator Tom Hanks, pode ser mais fácil de entender. O diabetes diminui a função imunológica e dificulta o combate a infecções virais.

Níveis elevados de glicose (açúcar no sangue) em pessoas com diabetes também podem fornecer um ambiente mais ideal para os vírus prosperarem.

O aumento do risco de doença grave por COVID-19 em pessoas com doenças respiratórias crônicas, como asma e doença pulmonar (conhecida como doença pulmonar obstrutiva crônica ou DPOC), talvez seja o mais claro, principalmente se sua doença não for bem controlada.

As condições respiratórias – como asma não controlada, que causa inflamação das vias aéreas – provavelmente serão exacerbadas pela infecção pelo COVID-19, que também atinge as vias aéreas.

Como pode reduzir o risco?

Com tais explicações fica ainda mais claro por que é imprescindível que idosos e pessoas com as doenças aí referidas cumpram ainda mais rigorosamente a recomendação do governo e da OMS para não saírem de casa, e nem mesmo receberem pessoas em suas casas.

Mesmo nas teorias de isolamento vertical, quando as medidas de quarentena seriam menos severas para os mais jovens, não há a exclusão da necessidade do isolamento total dos idosos e daqueles com comorbidades.

Mas, se isso já está bastante claro, por que alguns idosos ainda insistem em não cumprir as determinações? 

A gente ouve muita gente falando: “a  minha vó é teimosa, meu pai é turrão…” Mas será que a explicação é assim tão simples?

Em um artigo publicado no site americano Vox, Louise Aronson, médica geriatra, escritora, professora de medicina na Universidade da Califórnia em São Francisco e autora do best-seller do New York Times, “Idoso: Redefinindo o envelhecimento, transformando a medicina e reimaginando a vida”, vai além das explicações superficiais para tentar entender a resistência de alguns idosos em aceitar o isolamento.

“Algumas razões pelas quais as pessoas mais velhas podem estar fora não estão recebendo muita consideração. A primeira, que testemunhei com frequência em meus 25 anos de experiência como médica para essa demografia, é que eles não se consideram velhos. Embora muitas sociedades definam a velhice como iniciando entre 60 e 70, para muitas pessoas, especialmente as mais jovens e saudáveis, a palavra “velha” carrega conotações de fragilidade, debilidade e proximidade com a morte. Quando esses descritores não se aplicam, ou quando os idosos os percebem como não aplicáveis, eles não se consideram idosos. Quando jovem geriatra, às vezes eu achava isso confuso. Quando entrei na meia-idade, comecei a entender o que os pacientes me diziam há anos: que o senso de si não havia mudado, assim como a pessoa no espelho. Uma segunda razão não examinada pela qual os idosos podem estar fora é afirmar seus direitos individuais. Um colega pergunta por que os idosos conscientes não têm permissão para avaliar e assumir seu próprio risco, como os adultos mais jovens e de meia-idade que podem se exercitar e fazer compras, desde que pratiquem o distanciamento social. Entendo o argumento dela, mas a história humana mostra com trágica eloquência que nem sempre podemos confiar nas pessoas – independentemente de sua idade ou formação – para escolher o bem maior em detrimento do próprio interesse.”

Por fim, a médica imagina outro fator que possa estar influenciando as respostas de alguns idosos às diretrizes de ficar em casa: embora a esmagadora maioria das pessoas idosas seja cognitivamente saudável, elas são, muitas vezes, retratadas como universalmente mental e fisicamente fracas. “Temos tão pouca simpatia por pessoas que são diferentes ou incapazes de se exercitar, que muitas delas são levadas a negar sua identidade cronológica em legítima defesa. Criamos uma cultura de negação da velhice que algumas pessoas podem priorizar não serem percebidas como “velhas” em detrimento de seu considerável risco fisiológico e imunológico estabelecido de adoecer e morrer de coronavírus.”

A verdade é que, mais do que nunca, precisamos proteger nossos idosos e municiá-los de informações é um importante modo de fazermos isso. Não  visitá-los é também um outro ato de amor, por mais paradoxal que possa parecer.

Vamos juntos passar por este momento difícil e, aí sim, poderemos abraçá-los com carinho e amor, mas, para isso, é fundamental que todos façamos nossa parte para que eles tenham plena saúde quando este dia chegar!

Leia também:

Prática de exercícios é fundamental para quarentena.

Coronavírus: o que é e como se prevenir

Reforce sua imunidade contra o coronavírus

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

RêSpallicci








Abrir Conversa
Fale comigo!
Abrir Conversa
Fale comigo!