fbpx negócio-maconha – como o negócios da cannabis está se tornando megalucrativo em todo o mundo. - Renata Spallicci

RENATA SPALLICCI

Carreira

03/10/2019

A maconha vira negócio! E muito lucrativo!

Como a cannabis está se comportando em mercados onde foi legalizada

Sabe quando nossos pais chamavam alguém de maconheiro como sinônimo de vagabundo? Esqueça! Do que depender do mundo dos negócios, trabalhar com maconha vai virar um megalucrativo empreendimento! Pelo menos é o que já acontece nos países onde a erva foi liberada!

Estima-se que o mercado canadense de produtos alternativos de cannabis valha mais de US $ 2,7 bilhões anualmente, de acordo com a Deloitte, e que deve chegar facilmente a US $ 5 bilhões até 2021, apenas no Canadá!

Maconha na bolsa (ops, de valores!)

Liberada em 11 estados americanos para uso recreativo e em 33 para uso medicinal legal, a maconha já ultrapassou uma importante fronteira, quando muitas das empresas que trabalham com o produto passaram a ter ações vendidas na bolsa de Wall Street, tornando a maconha também um importante investimento! 

E isso torna o negócio cada vez mais lucrativo, e existe a estimativa de que, em pouco tempo, a erva seja liberada em todo o mundo.

“Esse negócio ainda está engatinhando. É como investir no álcool após a proibição. Haverá toneladas de crescimento”, disse a uma reportagem da CNN Dan Ahrens, diretor de operações da empresa de investimentos Advisor Shares.

Segundo estimativas, os mercados globais de cannabis devem dobrar em 2025 para US$ 194 bilhões.

A Advisor Shares acaba de lançar o ETF Pure Cannabis, um fundo gerenciado específico para quem investe em ações de maconha. Algumas de suas principais participações são as empresas canadenses de cannabis CannTrust, Aphria e Hexo.

As atitudes em relação à cannabis estão mudando, à medida que a geração do milênio ganha mais influência na liderança da sociedade. Desde o ano passado, 57% dos adultos nos EUA disseram que pensavam que a maconha deveria ser legal, com apenas 37% adotando a visão oposta – o que é essencialmente uma reversão das opiniões mantidas há uma década.

As empresas de cannabis de capital aberto registraram fortes vendas, desde que o Canadá legalizou a maconha em outubro passado, e vários estados dos EUA votaram pela aprovação do uso recreativo e medicinal da maconha.

A maconha também se tornou popular, graças a grandes investimentos e parcerias entre vendedores de maconha e empresas consumidoras de primeira linha.

A proprietária da Corona, Constellation Brands, tem uma participação de mais de 35% na Canopy Growth, uma empresa canadense de cannabis,  que pretende dar um passo maior nos Estados Unidos com planos de comprar a empresa americana de cannabis Acreage Holdings. A Constellation também divulgou que pode eventualmente aumentar sua participação na Canopy para 50%.

A Altria, proprietária da Marlboro, investiu US $ 1,8 bilhão no grupo Cronos, produtor de maconha. E a Tilray está trabalhando em bebidas com maconha , junto ao  proprietário da Budweiser AB InBev.

Mas muitas dessas ações já subiram este ano – a Cronos subiu quase 60% até agora, enquanto a Canopy subiu 70% – levando a se perguntar se essa é apenas uma mania especulativa, como tulipas e empresas de pontocom.

Como qualquer produto de consumo

Por outro lado, Rob Almeida, estrategista global de investimentos da MFS Investment Management, disse que os investidores podem estar se adiantando. Ele está preocupado com o fato de que os estoques de maconha se tornarão uma moda de investimento, como empresas de impressão 3D e blockchain.

“A cannabis não terá crescimento parabólico”, disse Almeida à CNN Business. “Há muita esperança e entusiasmo.”

Segundo ele, um dos motivos de preocupação é que quantos mais estados americanos estiverem legalizando o uso da maconha, mais a concorrência aumentará,  e os preços cairão.

A empresa de pesquisa BDS Analytics, que calcula um índice de preços ao consumidor para a indústria de cannabis nos Estados Unidos, informou, recentemente, que os preços gerais de produtos como ingestíveis, cremes tópicos, vaporizadores e canetas vape e juntas pré-laminadas caíram 2,7% , em relação a 2018.

Muitas das empresas de cannabis de capital aberto também relataram uma queda no preço de varejo no Canadá,  desde a legalização.

Em outras palavras, esse é outro sinal de que a maconha está se tornando legítima: está começando a funcionar como qualquer outra grande indústria de consumo, com suas subidas e descidas de preço, de acordo com a demanda do mercado.

Mais crescimento provavelmente a caminho

No entanto,  apesar das oscilações, há também entusiasmo com a expectativa de mais fusões e parcerias. A Aurora Cannabis, uma empresa canadense cujas ações subiram 80% este ano, anunciou, recentemente, que estava adicionando o lendário investidor e negociador Nelson Peltz como consultor.

Isso levou à especulação de que Peltz pode ajudar a Aurora a se unir a produtos de consumo ou empresa de assistência médica. A Tilray, por exemplo, também tem um relacionamento estratégico com a fabricante de medicamentos genéricos Sandoz, uma subsidiária da Novartis. Portanto, outras empresas de maconha podem procurar se unir à Big Pharma.

Os planos da Ceanopy de comprar a área cultivada também poderiam levar à outra onda de consolidação.

Matt Hawkins, diretor administrativo da Cresco Capital Partners e investidor em Acreage, disse, em um e-mail à CNN Business, que “este é o momento que o setor de cannabis sabia que estava chegando – consolidação”.

Hawkins acrescentou que o acordo “levará à fusão de empresas de maconha para competir com a Canopy / Área cultivada, e que agora será muito difícil para as empresas iniciantes entrarem no espaço e competirem com os crescentes / emergentes conglomerados”.

Mercado da maconha no Brasil

Aqui no Brasil, importantes players se preparam para atuar, assim que se abrirem as oportunidades locais de negócio. Os mais otimistas acreditam que a regulamentação pode sair no início de 2020. Em junho, a Anvisa encaminhou para consulta pública uma proposta que autoriza o cultivo para fins medicinais. Em julho deste ano, a canadense Canopy Growth (faturamento anual superior a US$ 220 milhões e crescimento da ordem de 190% ao ano) já abriu filial por aqui.

Seu novo braço de pesquisas, a Spectrum, listou o Brasil entre os 12 países a atuar. “O país nos interessa muito. É o principal mercado da América Latina, com mais de 1,7 milhão de pacientes potenciais”, diz Jaime Ozi, gerente da Canopy no Brasil, à revista Época Negócios. 

No melhor cenário, a concorrente Verde Med, também canadense, planeja investir US$ 80 milhões até 2022 no país. A companhia foi fundada pelo brasileiro José Bacellar, ex-executivo da Canopy e ex-CEO da Bombril. Já o Grupo Piauhy, com sede no Uruguai, planeja desembolsar US$ 5 milhões para abrir um laboratório na região Centro-Oeste.

Vamos acompanhar os próximos passos e ver como o mercado brasileiro vai se comportar com este avanço da cannabis e esperar pela postura do País sobre a legalização!

Mas a verdade é que a maconha está chegando com tudo ao mundo dos negócios  e este pode ser o momento certo de se pensar em programar futuros investimentos no setor. Pode apertar, mas não precisa acender agora!

Leia também

Aromaterapia: perfume como remédio

Esportes radicais e carreira

Meditação é tendência no mundo e se tornará plural

Busque seu propósito. Deixe seu legado.

Rê Spallicci

Renata Spallicci

Atleta profissional fisiculturismo WBFF, executiva, empresaria, coach, influenciadora digital, escritora, palestrante motivacional e realizadora social fundadora do movimento Fit do Bem.

renataspallicci.com.br
fitdobem.com.br
dosonhoarealizacao. com.br